Há 20 anos atrás se desenrolava a Guerra Civil Iugoslava (ocorreu devido a diferenças étnicas, políticas, religiosas e que durou de 1991 a 2001), onde cerca de 12.000 a 15.000 homens e centenas de mulheres, crianças e idosos muçulmanos fugiram da cidade de Srebrenica, perto da Bósnia-Hezergovina, uma das ex-repúblicas da ex-Iugoslávia e só 3.500 sobreviveram. Somente em 5 dias do mês de julho de 1995, aconteceram assassinatos sistemáticos na região que tinha a fraca proteção de soldados holandeses das forças de paz da ONU. Tanto que o tribunal de crimes de guerra da ONU descreveu esta cena triste da #História humana como "o triunfo do mal".


O dia 11/07/2015 é marcante, pois mais de 50.000 pessoas, incluindo 80 dignitários estrangeiros participaram do 20º aniversário do genocídio de Srebrenica, incluindo o funeral das vítimas encontradas recentemente em dezenas de valas comuns. Depois da 2.ª Guerra Mundial, o genocídio foi o maior crime de guerra na #Europa. O Centro Memorial Srebrenica-Potocari contou com a presença de famosos, homenageando as vítimas da guerra, como o ex-presidente dos EUA, Bill Clinton e a também americana, ex-secretária de Estado, Madeleine Albright; o 1.º Ministro turco Ahmet Davutoglu; a Princesa britânica Anne e Noor, Rainha da Jordânia. O Evento também contou com a presença do 1.º Ministro da Sérvia, Aleksandar Vucic, que não era uma unanimidade entre os convidados, pois foram justamente os sérvios, como força bélica dominante, que acenderam o estopim da "faxina étnica" nesta parte dos Bálcãs.


Além disso, são comuns os relatos de pessoas como Mejra Begovic: "eles só encontraram as pernas de meu filho mais novo", que perdeu o marido e três filhos no genocídio. Salih Mehmedovic tinha apenas 16 anos quando foi morto na mesma ocasião, junto com outros 8.371 homens e meninos bósnios. Seus dois irmãos, Rifet, 18, e Fikret, 20, assim como seu pai Ismet, também estavam entre as vítimas. Os restos mortais foram enterrados em 11/07/2015 ao lado de outras 132 vítimas. Dezoito menores estão entre os sepultados, enquanto a vítima mais antiga é Jusuf Smajlovic, que tinha 75 anos ao ser assassinado por milícias sérvias. Quatro jovens de 16 anos foram enterrados juntos aos seus pais. Estas vítimas chegaram em Potocari na última quinta-feira e as suas famílias os receberam com silêncio e lágrimas nos olhos, pois os caixões continham apenas alguns ossos que foram encontrados em terrenos escondidos.


Cerca de 12 mil participantes da Marcha da Paz também chegaram em Potocari na sexta-feira que antecedeu o dia 11 para marcharem em memória de milhares de moradores de Srebrenica que caminharam mais de 100 quilômetros, em julho de 1995, procurando abrigo em Tuzlain, no norte da Bósnia. Ao longo da Marcha da Morte, as pessoas perderam suas vidas em bombardeios, campos minados e emboscadas. Já na Marcha da Paz, os participantes fizeram a rota inversa, tendo Potocari como sua última parada. Os sobreviventes se recordam dos horrores que suportaram durante a caminhada através de florestas e montanhas por dias, sendo forçados a comer folhas, passar por corpos e sofrer com o efeito de gases venenosos.

Em 2015, assim como há 20 anos, a marcha foi liderada por Mirsad Sinanovic, que perdeu os irmãos e o pai no conflito. Diante de um cenário tão cruel e surreal, muitas outras pessoas mundo afora, preferem se recordar da letra da música do ex-Beatle John Lennon como "antídoto" a este mal, que diz: "Imagine todas as pessoas vivendo a vida em paz. Imagine todas as pessoas partilhando todo o mundo". #Religião