TURQUIA - Aviões turcos tem pela primeira vez realizado ataques aéreos contra o Estado Islâmico. De acordo com relatórios da Al Arabiya, o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, afirmou que os ataques turcos destruíram todos os objetivos do EI que ameaçavam a fronteira entre a Síria e a Turquia.

Os aviões de Guerra de Ankara, atingiram os objetivos do EI na divisa com a Síria. A emissora TRT afirmou que quatro aviões de guerra saíram da base de Diyarbakir, no sudeste do país para destruir as bases do #Estado Islâmico na cidade de Havar, na Síria. De acordo com a televisão estadual, os aviões não violaram o espaço aéreo sírio.

Publicidade
Publicidade

Nas primeiras horas desta sexta-feira (24), a polícia lançou ataques contra militantes curdos do Estado Islâmico em todo o país, prendendo 297 pessoas.

Em Istambul, mais de 5.000 policiais foram ativados. Foram presos também os membros da ala juvenil ilegal do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e um grupo de extrema-esquerda marxista (DHKP-C). A televisão turca afirmou que no ataque aos objetivos do Estado Islâmico na Síria foram mortos pelo menos 35 militantes do grupo terrorista. Erdogan afirmou que a operação contra os militantes continuará.

Os ataques aéreos vieram depois de dias de ataques terroristas contra o povo turco:

  • Segunda-feira 20 de julho de 2015:  32 pessoas foram mortas após a explosão de uma bomba em Suruc - EI foi responsabilizado por isso;
  • Quinta-feira 23 de julho de 2015: militantes curdos disseram de ter matado 2 policiais na cidade de Celapinar, afirmando que colaboravam com o Estado Islâmico;
  • Também na mesma quinta-feira, militantes do EI, atacaram um posto de fronteira turco perto de Kilis. O exército turco relatou ter matado um dos militantes.

Acordo entre Estados Unidos e Turquia

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, confirmou de ter concedido aos EUA o uso da base de Incirlik, na província meridional turca de Adana, para conduzir operações militares contra o Estado Islâmico.

Publicidade

O acordo foi finalizado por telefone com o presidente norte-americano Barack Obama nesta quarta-feira (22). A confirmação de Erdogan veio horas depois aviões turcos terem realizado ataques contra o Estado Islâmico na Síria.

O governo turco sempre foi criticado pelos países ocidentais pela sua ambivalência com os militantes do EI e por não fazer o suficiente para combatê-los apesar de ser parte da coalizão. Com o novo acordo a Turquia deixou claro a sua função nesta guerra contra os terroristas.

Funcionários norte-americanos afirmaram que os Estados Unidos, através do acordo com os turcos, querem intensificar os bombardeios nos territórios ocupados pelos militantes do Estado Islâmico.