Enquanto define novos parâmetros para suas políticas internas, como a proibição de partidos comunistas e nazistas – extinguindo assim os três partidos comunistas atualmente existentes no país – a Ucrânia também tenta definir a situação com os rebeldes pró-Rússia situados no leste do país.

Nesta semana, Ivica Dacid, presidente da OSCE, Organização de Segurança e Cooperação na #Europa, anunciou que o governo chegou a um acordo preliminar de retirada de armas com os guerrilheiros, o que deve incluir um cessar-fogo gradual de ambos os lados.

O acordo foi anunciado em Minsk, capital da Bielorússia, e as negociações da OSCE contaram com integrantes da Ucrânia, da Rússia e do grupo que tenta o separatismo do país do leste-europeu para se anexar ao país do presidente Vladimir Putin.

Publicidade
Publicidade

Apesar das tentativas de cessar-fogo, ambos os lados permanecem trocando acusações de ataques, e notícias de mortes de guerrilheiros, civis e oficiais continuam sendo registradas.

Iniciado em abril de 2014, o conflito já deixou mais de seis mil mortos e têm se mostrado uma das grandes questões políticas a serem tratados pelo presidente Arseniy Yatsenyuk. #Mídia