Um estuprador português de nome Carlos Bolieiro foi considerado o “fugitivo da semana” por parte da polícia norte-americana. O emigrante vive em New Hampshire e está foragido desde 2013. Ele é considerado um estuprador muito perigoso, o que levou as autoridades a pedirem aos canais americanos para voltar a informar a população que o emigrante português continua em fuga.

Segundo a informação internacional, ele pode ter conseguido chegar ao Brasil por via terrestre nesse mesmo ano.

Em 2013, o português estuprou uma garota de 14 anos, e desde então, nunca mais foi visto. A mãe da menina, sua conhecida, chegou a denunciar o homem às autoridades locais, mas estes nunca tiveram a oportunidade de apanhar o acusado, um estuprador considerado altamente perigoso pela Policia dos Estados Unidos.

Publicidade
Publicidade

New Hampshire, cidade norte-americana onde o suspeito viveu durante muito anos como emigrante, continua vivendo dias de terror, pois sua população sabe que o estuprador continua solto, sendo ele altamente imprevisível. Por isso mesmo, segundo os canais internacionais, a polícia da cidade pediu aos seus canais de televisão para colocar novamente a fotografia do estuprador, como última forma de que alguém o consiga identificar e que seja finalmente apanhado.

O emigrante português está sendo considerado como o “fugitivo da semana” pelas autoridades e televisões norte-americanas, pois o caso para eles já está se estendendo por muito tempo, bem mais do que é normal nesses casos. Carlos Bolieiro pode muito bem ter fugido para o Brasil por via terrestre, afirma os canais internacionais, mas seu paradeiro continua sendo desconhecido e a possibilidade de ele estar na cidade onde viveu durante anos, New Hampshire, ainda não foi descartada.

Publicidade

O caso está gerando uma má imagem para os portugueses na cidade norte-americana, New Hampsihe, que durante esses últimos anos têm recebido muitos portugueses, que têm passado por grandes dificuldades em Portugal, depois dessa enorme crise econômica que toma o país. #Crime #Violência #Casos de polícia