Os emigrantes portugueses continuam se manifestando às portas do Novo Banco, reclamando o dinheiro que lhes foi “roubado” pelo BES, um grande banco português que faliu no ano passado e ficou com poupanças de milhares de portugueses. Hoje, dia 17 de agosto, nas ruas de Guimarães, trinta emigrantes portugueses gritaram por França, demonstrando alguma traição por Portugal, o seu país natal. “Vive la France” e “são uns ladrões”, foram algumas frases gritadas nas ruas de Guimarães, como divulgou o jornal português “Correio da Manhã”.

As manifestações dos lesados pelo BES estão continuando nas ruas de Portugal. Depois de na semana passada, em Lisboa e no Porto, onde existiu alguma violência, principalmente contra os policiais, agora em Guimarães, os emigrantes portugueses continuam perdendo a cabeça, completamente desesperados, sem qualquer dinheiro para viver, roubados pelo BES, que lhe ficou com o dinheiro de uma vida.

Publicidade
Publicidade

Muitas bandeiras francesas estiveram presentes na manifestação de hoje e muitas mensagens em francês também, todas elas de emigrantes portugueses que se demonstram desiludidos e tristes por Portugal. Alguns deles gritaram mesmo por França, algo que causou algum desconforto, visto que são portugueses e estão gritando por outro país, revelando assim uma traição por Portugal, que os viu crescer e partir, opinião que está sendo muito apoiada nas redes sociais pelos portugueses.

A manifestação, tal como as outras, tinha como objetivo exigir a devolução imediata dos investimentos que os portugueses fizeram no BES. Ao contrário das outras, essa manifestação foi mais pacífica e só mesmo as palavras gritadas nas ruas de Guimarães causaram algum desconforto aos presentes. Ao longo desse mês de agosto, portugueses e seus emigrantes vão continuando a reclamar o dinheiro que lhes falta, sendo que muitos de eles estão sofrendo, pois não tem mais dinheiro nenhum.

Publicidade

O Banco de Portugal já avançou com uma proposta de devolução de 60%, mas os manifestantes querem tudo, algo que parece para já impossível. #Europa #Crise econômica