Uma garota de 23 anos enganou toda a #Internet quando pediu ajuda aos internautas para recolher o máximo de dinheiro possível para tratar de seu câncer. Porém, na passada terça-feira, dia 11 de agosto, a antiga Miss Pensilvânia foi detida pelas autoridades norte-americanas por esquema e fraude na Internet. Segundo o jornal português “Jornal de Notícias”, Brandi Lee conseguiu recolher milhares de dólares desde 2013, tendo até raspado seu cabelo para dar mais realismo à sua história. A garota já foi multada em 135 mil dólares e vai para julgamento.

O esquema feito pela garota e sua família foi revelado pelas autoridades americanas, que graças a uma carta anônima descobriram que tudo não passava de uma fraude.

Publicidade
Publicidade

Brandi Lee nunca foi diagnosticada com câncer, nem tão pouco teve alguma consulta oncológica para o tratamento do “seu câncer”. Para tornar a sua história real, a antiga Miss Pensilvânia criou um site e um movimento ao seu entorno, tentando assim recolher o máximo de dinheiro possível das pessoas que queriam ajudar, em uma ação de solidariedade.

Desde o ano de 2013, Brandi Lee e sua família conseguiram recolher vários milhares de dólares de desconhecidos na Internet. As pessoas estavam ajudando a jovem a ultrapassar o seu câncer, tendo sido completamente enganadas e envolvidas em um esquema. Para ajudar a tornar a sua história real, recebendo assim mais dinheiro, a garota ficava horas aguardando nos hospitais, tirando fotografias para os seus seguidores nas redes sociais, e até cortou seu cabelo, dando assim a ideia de estar atravessando a fase de quimioterapia.

Publicidade

As pessoas que foram enganadas querem agora recuperar seu dinheiro, mas tal pode não ser possível. Quanto à garota, que no passado foi até eleita a jovem mais bela do seu estado, vai ser ouvida pelo tribunal local, bem como irá pagar uma multa no valor de 135 mil euros, bem mais do que aquilo que ela e sua família “roubaram” no seu esquema de Internet. A notícia está correndo mundo e os internautas estão se questionando sobre se devem acreditar nas “desgraças” que surgem na Internet diariamente. #Doença