Em Dubai, na Ásia, um pai viu a filha morrer afogada no mar, bem em sua frente. De acordo com as autoridades locais, o homem de origem asiática teria preferido que sua filha não fosse salva por dois salva-vidas, a ser tocada por homens desconhecidos.

O site da revista Marie Claire afirma que o homem consideraria uma desonra ver sua filha, de apenas 20 anos, ser tocada por estranhos. O asiático foi preso por ter impedido o salvamento de sua filha e será agora ouvido pela polícia de Dubai.

Você já imaginou um homem dificultar o salvamento de sua própria filha, quando ela está quase morrendo afogada? O incidente aconteceu em Dubai e a moça de 20 anos morreu no mar porque seu pai não permitiu seu salvamento.

Publicidade
Publicidade

As autoridades confessaram à mídia internacional que o asiático é alto e forte, tendo sido agressivo com os dois salva-vidas, que estavam tentando salvar a garota. O homem teria empurrado e agarrado os estranhos, para que esses não tocassem em sua menina, de acordo com o canal árabe “Emirates 24/7”.

As autoridades, em comunicado a imprensa, se mostraram surpreendidas pela atitude extrema e desumana do homem, tendo admitido que nunca viram nada semelhante durante suas carreiras profissionais.

Além do pai da vítima, também estavam assistindo a tudo a mãe e seus outros filhos, que não puderam fazer nada para salvar sua jovem irmã porque seu pai não permitiu. A jovem morreu afogada, mas, para seu pai, o objetivo estava cumprido: a família não foi desonrada, pois sua filha não foi tocada por homens desconhecidos.

Publicidade

Conforme adianta o canal “Emirates 24/7”, as autoridades já fizeram a detenção do homem de origem asiática, estando aguardando agora julgamento em tribunal, por ter travado o salvamento de sua própria filha.

“Todo o mundo que tratou desse caso ficou chocado com os detalhes desse #Crime. Um pai impedindo sua filha de ser salva de morrer afogada é algo que nunca vou esquecer em minha vida”, confessou Ahmed Burqibah, comandante do departamento de Busca e Salvamento de Dubai. #Violência