A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) classificou nesta segunda-feira (24) como "crime de guerra" a nova barbárie do grupo terrorista autoproclamado #Estado Islâmico, que demoliu um antigo templo romano na cidade de Palmira, localizado em território sírio. Segundo a entidade, o templo de Baal Shamin representava um importante simbólico histórico da diversidade do país.

Maamoun Abdulkarim, representante ligado às antiguidades sírias, informou que combatentes da organização jihadista explodiram o templo no último domingo (23). Localizado na zona central do país, o sítio arqueológico era considerado um dos mais importantes de toda a extensão da Síria, o que denota ainda mais a gravidade do ato cometido pelos terroristas. 

A diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, também se pronunciou sobre o caso em comunicado oficial.

Publicidade
Publicidade

Para ela, será necessário punir os responsáveis. "Não há como citar os tais atos sem que sejam considerados verdadeiros crimes de guerra, e queremos que os seus perpetradores sejam devidamente responsabilizados por suas ações", disse.

Bokova também lamentou a execução do arqueólogo Khaled al-Assad, de 82 anos, decapitado na semana passada por combatentes do EI. Assad ainda teve o seu corpo pendurado e exposto por sobre uma das colunas dos templos romanos. O arqueólogo foi o responsável por cuidar por mais de quatro décadas das ruínas da cidade de Palmira, consideradas pela Unesco como Patrimônio da Humanidade.

Diversas autoridades sírias garantiram que muitas estátuas e outras peças que ilustram a história da Síria foram levadas para locais seguros antes da tomada de Palmira pelo Estado Islâmico, que ocorreu ainda em maio de 2015.

Publicidade

Do contrário, acabariam sendo destruídas pela facção. Em junho, porém, santuários foram explodidos. "A arquitetura da cidade de Palmira é um grande símbolo da riqueza e complexidade da identidade e de toda a história que a Síria construiu na antiguidade", finalizou Bokova.

O templo de Baal Shamin havia sido construído quase 2 mil anos atrás e as explosões comprometeram gravemente sua estrutura interior, além de terem originado desmoronamento em estruturas próximas. #Terrorismo #Blasting News Brasil