A polícia tailandesa anunciou que um ataque a bomba no Erawan, santuário em Bangkok, que matou 20 pessoas, há duas semanas, pode ter sido lançado por uma quadrilha de contrabando de pessoas em resposta a uma ofensiva contra o comércio. A afirmação vem depois que as forças de segurança ampliaram suas buscas de suspeitos e prenderam um cidadão estrangeiro que foi encontrado com materiais de fabricação de bombas e passaportes falsos, nos arredores de Bangkok.

O porta-voz da polícia, Prawut Thavornsiri, disse que as autoridades acreditavam que o homem fazia parte de um grupo do #Crime organizado que vendeu documentos falsificados para imigrantes ilegais.

Publicidade
Publicidade

A polícia acusou o homem de 28 anos de idade por posse de explosivos ilegais, embora não tenha revelado o seu nome ou nacionalidade. Os vizinhos disseram que ele vivia com outro estrangeiro.

Thavornsiri disse que acredita que o suspeito estava envolvido na rede que realizou o ataque, bem como uma explosão menor, que não deixou feridos um dia depois. A polícia não divulgou se o homem é o único suspeito pelo atentado à CCTV. O suspeito do atentado usava uma camiseta amarela e deixou cair uma mochila preta minutos antes da explosão. A filmagem que mostra essa cena tem sido a principal evidência na investigação sobre o pior atentado em tempos de paz da #História da Tailândia.

Tailândia é um grande centro regional para o tráfico de pessoas e o governo tem se esforçado para mostrar que estão reprimindo o comércio depois que dezenas de corpos foram encontrados em um acampamento no início deste ano, as vítimas eram reféns dos contrabandistas.

Publicidade

A prisão é o primeiro avanço potencial em um caso que parecia sem solução. A explosão no templo Hindu de Bangkok - uma atração popular entre os turistas budistas chineses, bem como Thais - também deixou mais de 120 pessoas feridas, muitas das vítimas eram estrangeiros, jogando um holofote internacional sobre o tratamento dado pela polícia tailandesa ao caso. Esse caso se junta a mais dois casos de terrorismo que aconteceram nesse mês, um deixando 12 mortos, no Egito e outro acontecendo em um trem na França, sem vitimas fatais. #Investigação Criminal