Centenas de pessoas morreram, nesta quinta-feira (24), após serem pisoteadas durante a peregrinação mulçumana na Arábia Saudita, de acordo com agências de notícias internacionais.

O incidente ocorreu durante uma confusão na região de Mina, na parte externa dos limites sagradas da cidade de Meca, quando as vítimas foram pisoteadas durante uma fuga desordenada.

O balanço mais recente é de 456 mortes e ao menos 780 feridos, muitos em estado grave, segundo a Defesa Civil local.

De acordo com informativo divulgado pelo Departamento de Defesa Saudita, várias equipes de emergência prestam socorro aos peregrinos. Os que necessitam de maiores cuidados médicos estão sendo levados imediatamente para os hospitais mais próximos.

Publicidade
Publicidade

“Várias pessoas se perderam de seus acompanhantes e familiares durante a confusão, a maioria mulheres idosas. No momento, agências locais e não-governamentais trabalham para facilitar esse reencontro”, disse Ahmed al-Rouhr, voluntário na Cruz Vermelha local.

Até o momento não foram divulgados os motivos que teriam provocado a confusão em Mina. Segundo informações não-oficiais, uma suspeita de bomba no local teria provocado a correria - gritos em prol do Estado Islâmico foram ouvidos no momento. Outra explicação seria o estreitamento da passagem na área, o que teria aumentado o fluxo de pessoas, levando ao incidente. 

Outras tragédias

No dia 11 de setembro, quase duas semanas antes do início da peregrinação à Meca, conhecida como Haj, um desabamento na Grande Mesquita matou 112 pessoas e deixou dezenas de feridos.

Publicidade

Imagens e vídeos na internet mostram peregrinos carregando pessoas cobertas de sangue, entre elas várias crianças.

A última grande tragédia aconteceu em 2006, quando pelo menos 440 peregrinos foram mortos enquanto participavam da cerimônia de apedrejamento do diabo, ritual que se inicia, nesta quinta-feira, em Mina. Desde então, as equipes responsáveis pela organização do evento têm trabalhado para aumentar a segurança e facilitar o fluxo dos peregrinos, mas os problemas persistem, em especial para aqueles com necessidades especiais.

  #Religião #Estado Islâmico