A recente crise entre Colômbia e Venezuela é apenas mais um capítulo na conflituosa relação diplomática entre ambos. Compartilhando uma fronteira de 2,2 mil quilômetros de extensão, considerada por muitos a mais intensa da América Latina, os dois vizinhos há muito compartilham problemas diplomáticos que se agravaram a partir dos anos 1980, com o crescimento da atuação do tráfico de drogas e de combustíveis na região.

Nos anos 2000, com a ascensão de Hugo Chávez e Álvaro Uribe, na Venezuela e na Colômbia, respectivamente, os ânimos tornaram-se ainda mais acirrados pela clara divergência entre os dois governantes. Entre os motivos de desavenças, a atuação de grupos paramilitares colombianos na região da fronteira, com destaque para um rompimento por conta das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) em 2010.

Publicidade
Publicidade

Ao mesmo tempo, ocorre desde os anos 1960 uma intensificação nos conflitos internos da Colômbia, fazendo com que muitos cidadãos desse país sejam obrigados a sair de sua região de origem buscando refugiar-se em locais sem conflito dentro e fora da Colômbia. Nesse movimento, milhões de colombianos adotaram a Venezuela como local de refúgio, sem contar aqueles que se localizam na região fronteiriça e trabalham no país vizinho.

De acordo com o presidente Nicolás Maduro, apenas em 2015 cerca de 120 mil colombianos migraram para a Venezuela em busca de condições sociais mais dignas. Desde a ofensiva da Venezuela na fronteira com a Colômbia, que se iniciou no dia 20 de agosto, mais de mil colombianos ilegais foram deportados.  #Mercosul