Depois de chocar o mundo com uma cerca de arame farpado e o ataque desumano de uma repórter a um refugiado com uma criança, a Hungria anuncia a construção de outro muro na fronteira com a Croácia.

"Os trabalhos para o bloqueio da fronteira começaram e parece que não podemos contar com ninguém", disse Viktor Orban, o primeiro ministro húngaro. Na última quinta feira (17) o ministro do interior da Croácia Ranko Ostojic, anunciou que, após a entrada de sete mil refugiados no país que, não tem mais capacidade para receber refugiados provenientes da fronteira com a Sérvia. O que certamente ocasionou uma resposta do governo húngaro.

O país faz fronteira com a Croácia pelo Sudoeste, e a policia local anunciou hoje (18) que 453 imigrantes — entre sírios e afegãos — conseguiram entrar no país ilegalmente através dessa fronteira, o que de acordo com a nova legislação, pode ser punido com pena de prisão "A rota dos Balcãs ocidentais continua existindo.

Publicidade
Publicidade

O bloqueio da fronteira da Sérvia com a Hungria não impediu novas entradas”, defendeu Orban. O que colocou o país em uma situação delicada com as outras nações da União Européia, que já haviam alegado antes que,  se estava fazendo com os imigrantes, oque foi feito com os judeus na Segunda Guerra Mundial.

Na última quarta-feira (16), houve um confronto na fronteira com a Sérvia, onde a policia respondeu às pedras jogadas pelos imigrantes com canhões de água e granadas de gás lacrimogêneo, reprimindo a entrada dos imigrantes. O primeiro ministro alegou que a revolta tinha sido organizada por um “terrorista” que foi detido, aguardando a apuração dos fatos do inquérito "Isso mostra que não se trata apenas de um problema de imigração, mas que devemos falar seriamente de ameaças e de terrorismo", disse o primeiro ministro.

Publicidade

De fato, com a entrada dos imigrantes da #Europa, oque mais se teme é a infiltração dos terroristas, que se acredita já terem conseguido se infiltrar nas fronteiras — principalmente simpatizantes do grupo fundamentalista Estado Islâmico. Todos os países da Europa vivem o mesmo dilema, abrir as portas para os refugiados e correr os riscos de um ataque terrorista, ou fechar as portas e fingir que nada está acontecendo aos Sul?

As autoridades croatas têm a intenção de mandar os refugiados de volta para a Hungria, por não ter mais capacidade, e a resposta do governo foi barrar um trem de refugiados, e anunciar a construção de outro muro de arame farpado á Sudoeste, na fronteira com a Croácia. O país mais rico da União Européia, a Alemanha, ainda não se pronunciou sobre o acontecido, mas segundo a ministra alemã Angela Merkel, o país está com as portas “abertas” para receber imigrantes vindos do Oriente Médio, porém, o muro húngaro está no caminho dos refugiados, que não conseguirão chegar á Alemanha.

Publicidade

O mundo se encontra mais uma vez em choque perante as atitudes do governo húngaro, que além de ter barrado a entrada dos imigrantes vindos do Oriente Médio, ainda lhes nega passagem segura para chegar ao principal destino, Alemanha, Itália e Inglaterra. Mais a grande indagação, é se um dia a Hungria tomará alguma atitude humana com aqueles cujo mundo inteiro finalmente decidiu enxergar.

  #Estado Islâmico #Crise migratória