O presidente da França François Hollande anunciou nesta segunda-feira, 07 de setembro, que vai bombardear o grupo #Estado Islâmico na Síria. O presidente francês deu instruções as Forças Armadas para fazerem voos de reconhecimento para realizar ataques aéreos contra o Estado Islâmico que vem tomando conta do país. “Estamos prontos para bombardear", afirmou Hollande.

O grupo extremista Estado Islâmico vem causando terror e destruindo as cidades sírias.  A cidade histórica de Palmira, Patrimônio da Humanidade pela Unesco, teve diversos templos destruídos pelos jihadistas. A cidade está sob controle do Estado Islâmico desde maio.

Publicidade
Publicidade

Os cidadãos sírios fogem para #Europa com medo da morte. Os milhares de imigrantes estão sendo acolhidos por diversos países da #União Europeia. A França vai receber 24 mil refugiados e a Alemanha cerca de 31 mil. Ao todo serão 200 mil refugiados que buscam um lugar de paz para fugir dos conflitos de assolam o país.

Na coletiva de imprensa que aconteceu hoje no Palácio do Eliseu, François Hollande, descartou intervenção militar francesa por terra na Síria. Ele afirmou que seria uma atitude inconsequente e irrealista. O chefe de Estado da França afirmou que seria inconsequente um ataque terrestre contra os jihadistas porque o país seria o único, ele não tem apoio de outras nações.

O presidente francês também declarou que o presidente sírio Bashar Al-Assad precisa deixar o cargo durante a transição.

Publicidade

Estado Islâmico infiltrado

Os boatos de que jihadistas estariam infiltrados entre os refugiados sírios começam a assustar os europeus. Em uma transmissão ao vivo de uma TV europeia na Alemanha, um refugiado faz uma ameaça com o corpo e menção a degolar alguém. As imagens chocaram a população.

Leia mais notícias do Mundo: 

Bayern de Munique doa um milhão de euros para ajudar refugiados

Crise da imigração na Europa preocupa líderes mundiais

Para a Unesco, Estado Islâmico cometeu crime de guerra ao destruir templo em Palmira

Milionário quer comprar uma ilha para refugiados