A jovem dinamarquesa tinha apenas 15 anos quando assassinou a própria mãe com a ajuda do namorado, em outubro do ano passado.

Ouvida pelo tribunal durante seu julgamento, alegou que cometeu o #Crime após assistir a vídeos de decapitação dos britânicos David Haines e Alan Henning no youtube, realizado pelo "famoso" terrorista jihadista John.

A adolescente vinha se desentendendo com a mãe constantemente, que desejava que Lisa rompesse seu namoro com um radical iraquiano que tinha 29 anos, cujo qual ela conheceu num centro de refugidos e se apaixonou, após ter sofrido uma desilusão amorosa com outro radical islâmico, que a deixou e voltou para a #Família na Suécia.

Publicidade
Publicidade

O assassinato se deu de forma fria e calculista, segundo a promotoria, a menina desferiu 20 facadas na mãe com auxílio do namorado, e ainda gritando chamou a polícia: "Eu ouvi minha mãe gritar e olhei pela janela e vi um homem branco fugindo. Por favor venha aqui, há sangue por toda a parte!". Os policiais estranharam quando chegaram na casa, e a menina estava mexendo tranquilamente no celular, mais tarde a polícia investigou seu computador e descobriu que ela havia assistido aquele vídeos aterrorizantes do EI.

Lisa chegou a amostrar a faca com a qual mataria sua mãe à irmã gêmea, que havia se mudado de casa, devido às constantes brigas, mas a irmã não levou fé. No julgamento feito, Lisa ainda tentou culpar o namorado, que a rebateu, alegando que apenas a ajudou quando, chegando mais tarde na cena do crime.

Publicidade

Na hora que a polícia chegou, ele não estava na casa, mas posteriormente as impressões digitais foram encontradas no quarto da assassinada.

O tribunal, não chegou a uma conclusão sobre qual deles desferiu as facadas, porém ambos foram condenados por assassinato. Lisa Borch, foi condenada a 9 anos de prisão e seu namorado a 13 anos, e após cumprir a pena, o iraquiano Bakhtiar Mohammed Abdulla, será expulso da Dinamarca.

A irmã gêmea de Lisa estava sentada no tribunal para vê-la sendo condenada pelo crime que cometeu. #Estado Islâmico