Envolta em uma grave crise de escassez nos produtos de primeira necessidade, a Venezuela tem atribuído o problema ao contrabando que, segundo dados de Caracas, seria responsável por desviar 40% da produção vendida no mercado venezuelano para a Colômbia.

Essa situação estaria ocorrendo pela grande diferença entre os preços nos dois países, já que na Venezuela há um forte subsídio, causando uma diferença de até 1000%, como no caso da gasolina, em relação aos valores praticados na Colômbia. Ao mesmo tempo, o governo de Bogotá não vê com bons olhos a situação por considerar que a venda no mercado negro de produtos fabricados na Venezuela enfraquece a indústria colombiana. 

Por esse motivo, no dia de 10 de agosto de 2014, ambos os governos já haviam estabelecido bilateralmente o fechamento da fronteira durante a noite com o compromisso de haver um controle mais rígido também na Colômbia.

Publicidade
Publicidade

Porém, a situação saiu totalmente do controle quando, no dia 19 de agosto de 2015, quatro militares venezuelanos foram atacados na cidade fronteiriça de San Antonio del Táchira enquanto realizavam uma incursão anticontrabando. 

Atribuindo o ataque a grupos paramilitares colombianos, o governo de Caracas decidiu, dessa vez unilateralmente, realizar o fechamento das fronteiras, situação que se agravou com a declaração de estado de exceção em 10 municípios limítrofes e com a deportação massiva de colombianos ali residentes. #Mercosul