O porta voz do Ministério da Defesa, Atilla Kovacs, anunciou esta manhã (19) que durante a madrugada de sexta para sábado, a Hungria terminou a construção do muro de arame farpado nos 41 quilômetros na fronteira com a Croácia.

Foi anunciado recentemente, que o país não tinha mais capacidade para lidar com os 4 mil refugiados que entravam no país todos os dias, o governo croata, então, declarou que, todos os refugiados que tentassem entrar no país seriam reencaminhados para a Hungria, que não se mostrou nada satisfeita com o fato.

O muro foi erguido na cidade de Budapeste — capital da Hungria — ao longo dos 41 quilômetros que separam o país da Croácia, sendo que, os outros 330 quilômetros da fronteira são delimitados pelo Rio Dave, oque dificultaria a passagem dos refugiados que se dirigem ao país.

Publicidade
Publicidade

Com o fim da construção do muro, o governo húngaro já anunciou a construção de outro muro na fronteira com a Romênia, que também tem recebido números de imigrantes além de sua capacidade.

Na última tarde, o primeiro ministro croata Zoran Milanovic foi questionado sobre o porquê transferência dos imigrantes para a Hungria, já que todos sabem que o país os estava repelindo. Milanovic, declarou: "A Hungria fechou a fronteira com arame farpado, o que não é uma solução, mas a solução também não é que todas estas pessoas fiquem na Croácia" criticando abertamente a incapacidade a União Européia em achar uma solução plausível para a enorme crise de migração que se passa no continente.

Atualmente, foi anunciado pela ministra alemã Angela Merkel, que o país estava pronto para receber os refugiados provenientes do Oriente Médio, já que junto com Itália e Inglaterra, a Alemanha é o principal destino, levando em consideração que a Itália está lidando com os imigrantes que chegam através do Mediterrâneo, e a Inglaterra está lidando com a maior ameaça terrorista desde o World Trade Center, em 2001.

Publicidade

A Alemanha é a que mais apresenta estrutura para receber essa imensa quantidade de refugiados.

  #Europa #Crise migratória