Em Calais, na França, um homem morreu na quinta-feira, dia 17, após ter sido encontrado no topo de um trem de carga no Eurotúnel. Ele é a 10ª pessoa morta dentro ou perto do túnel enquanto tentava chegar a Grã-Bretanha desde o final de junho. O homem morto era Abdel Kader Hanna, 30 anos, e veio do sul da Síria. Segundo um amigo, um migrante sírio chamado Khaled, Abdel estava viajando com dois membros da família, uma irmã e um parente do sexo masculino, e tinha ficado em Calais na França por uma semana. Khaled disse que também estava tentando embarcar em um trem quando viu alguém "tentando ficar em pé em alguma coisa acima dos trilhos" e a pessoa foi imediatamente eletrocutada.

Publicidade
Publicidade

Ele disse que em seguida caiu do trem e quebrou o pé, e a caminho do hospital chamou o amigo para avisar que achava que alguém tinha morrido, não sabendo que era Abdel.

Novas medidas de segurança

Nas últimas semanas novas medidas de segurança foram introduzidas na entrada do túnel e levaram a uma queda nas tentativas de invasão. O serviço de passageiros do Le Shuttle Eurotunnel estava operando com algumas alterações e um tempo de espera de aproximadamente 30 minutos no terminal. De acordo com um repórter, o homem teria conseguido atravessar as cercas e subir em um dos caminhões. As autoridades dizem que ele foi eletrocutado possivelmente por fios elétricos.

O Eurotunnel confirmou que um trem de carga estava parado por volta das 22h20 de quinta-feira, dia 17, por causa da presença de migrantes nos trilhos.

Publicidade

Quando o trem foi revistado, alguns migrantes foram encontrados a bordo, "um inconsciente e outro ferido", disse a empresa em um comunicado. Eles foram imediatamente levados em cuidados pelos serviços de emergência.

Situação

A situação em Calais é parte de uma crise em toda a #Europa, com um grande número de pessoas em direção ao norte do Mediterrâneo.

A Croácia fechou sete de suas oito passagens na fronteira com a Sérvia, devido a um enorme fluxo de migrantes. As autoridades disseram que não tinham escolha, depois que mais de 13.000 pessoas entraram no país desde que a Hungria fechou sua fronteira com a Sérvia. #Refugiados #Crise migratória