Faleceu nos Estados Unidos, Marcy Bordes aos 42 anos no último dia 24 de agosto. Poderia ser só mais uma notícia comum dos obituários diários se a mulher em questão não fosse o símbolo de uma tragédia americana. Quem é essa pessoa, por que a notícia da morte dela foi veiculada em toda a mídia mundial? O que aconteceu de tão grave em uma manhã de terça-feira na cidade americana de Nova York, em um dia ensolarado, céu azul e de temperatura agradável?

As pessoas já estavam nos seus trabalhos ou a caminho. Mal sabiam elas que as 8:46 da manhã, aconteceria algo que mudaria por completo não só a história de vida da Marcy Bordes, como a dos EUA e de todo o mundo.

Publicidade
Publicidade

Afinal de contas, o que ocorreu de tão inusitado naquele dia ao ponto de países ficarem hipnotizados frente aos aparelhos de TV em várias partes do globo?

Na terça-feira de 11 de setembro de 2001, a sociedade viu a nação mais poderosa da Terra, os EUA, cambalear e ficar totalmente fragilizada no que diz respeito a controle emocional e segurança, pois em questão de minutos haveriam mais de 3.000 mortos e milhares de feridos de várias nacionalidades em solo americano. O grupo de raiz islâmica auto-entitulado Al-Qaeda, sequestrou 4 aviões em Boston resultando no seguinte desenrolar dos acontecimentos:

Um avião caiu na Pensilvânia pelos passageiros terem reagido ao sequestro, sem deixar sobreviventes; a 2ª aeronave foi lançada pelos sequestradores contra o Pentágono que é o quartel general de defesa norte-americano na Virgínia; e o que provocou a maior sensibilização de todos: 2 aviões foram conduzidos contra as 2 torres do World Trade Center (WTC) em Manhattan, coração de Nova York.

Publicidade

As 8:46 da manhã, o avião do vôo 11 da American Airlines colidiu na torre norte do WTC e a 2ª colisão foi com o avião da United Airlines do vôo 175 as 9:03 da manhã, espatifando-se frente a torre sul do WTC.

As torres até então inabaláveis, foram ao chão com outras construções alguns minutos depois do atentado terrorista. Caos, destruição, poeira, pavor mórbido, abalo nas bolsas de valores em todo mundo, crise na segurança mundial e mortos, sim muitos mortos além dos feridos, foi o que resultou desta tragédia. Muitos personagens e imagens ficaram imortalizados depois deste dia e é justamente aqui que entra a personagem Marcy Borders, então com 28 anos e que trabalhava em uma das Torres Gêmeas na agência do Bank of América. A americana faleceu aos 42 anos, vítima de câncer de estômago e a mesma acreditava totalmente de que o seu câncer foi o resultado da ingestão de poeira e produtos químicos no dia do #Ataque.

Marcy ao sair do esconderijo em um edifício próximo após a queda da 1.ª Torre, estava totalmente coberta de pó e cinzas e por uma coincidência mórbida, a mulher foi fotografada por uma agência internacional de notícias e a sua foto rodou o mundo e ficou sendo conhecida como a “Senhora Pó” ou “Senhora Empoeirada” devido ao estado de sua aparência.

Publicidade

Borders depois da tragédia viveu em Nova Jersey modestamente, sofrendo de estresse pós-traumático, se viciando em drogas, o que lhe custou a guarda de seus 2 filhos. Conseguiu vencer o vício das drogas, mas não conseguiu venceu a luta contra o câncer. #Doença #EUA