O vídeo choca só de olhar. Aconteceu no Michigan, nos Estados Unidos, em pleno "court" de Tribunal quando se julgava a morte de uma menina de apenas três anos, Jamila Gordon. A criança morreu em setembro de 2014, a caminho do hospital, vítima de maus tratos.

A mãe da menina e o seu noivo foram detidos de imediato, acusados pelas agressões que vitimaram a criança. Agora, um ano depois, aconteceu nesta terça-feira, 1, a audiência para julgar os alegados autores pela morte de Jamila, e o pai da menina não aguentou a dor de ver os assassinos e partiu para a briga, agredindo o homem que matou sua filha. 

As imagens da agressão caíram no Youtube e estão se tornando virais. A dor de perder um filho é reconhecida na ação emocionada de um pai, que perdeu sua filha para as mãos de um bárbaro agressor.

Publicidade
Publicidade

No vídeo, é possível ver o pai da menina, Dwayne Smith, a atacar Clifford Thomas, o alegado autor dos maus tratos que vitimaram a menor. O ataque deste pai, em luto, só foi travado após intervenção de um agente de segurança, que estava na sala. 

Por este momento de revolta, Dwayne Smith foi expulso da sala, mas o Juíz já fez saber que não será penalizado por esta agressão. Através de um porta-voz do condado de Wyane, foi informado que Smith não sofrerá qualquer sanção por esta atitude. Apenas teve que abandonar a audiência. Por esse motivo, não pode assistir à condenação da sua ex-esposa, nem do atual noivo dela, que terá sido seu comparsa nos maus tratos a pequena Jamila. 

A mãe da menina, Jasmine Gordon, foi considerada culpada na morte da própria filha, que sofreu vários golpes na cabeça, o que teria levado a criança a morte.

Publicidade

A mulher foi condenada a uma pena de prisão de sete a quinze anos, por homicídio involuntário, e uma pena de 14 a 25 anos por ser cúmplice de abuso de menores.

Já o companheiro dela, Clifford Thomas, foi condenado a uma pena de prisão de seis a quinze anos também por homicídio involuntário e ainda uma pena de um a dois anos, por ter resistido a um agente da polícia.  #Família #Crime #Violência