O Vaticano anunciou nesta terça-feira (8), que o processo para anulação dos casamentos foi radicalmente revisado e que se tornará mais fácil. Talvez essa seja a mudança mais significativa na reformulação das regras da Igreja Católica, pois se trata de um processo de mais de dois séculos. Até então esse processo era bem complexo e muito demorado, e deveria se encaixar em determinadas situações para que a #Igreja concedesse  a anulação.

De acordo com o site CNN.com, essa é uma das últimas em uma série de reformas que o Papa Francisco está implantando, cmo forma de fazer com que a Igreja vá de encontro e dê mais respostas às reais necessidades dos católicos, principalmente aos que são marginalizados por regras tão severas, uma vez que quem quer casar novamente não pode fazê-lo na Igrega Católica e ainda há quem veja um novo casamento como algo não sagrado, pecado e toda sorte de adjetivos que caibam em um situação vista como "não dentro das leis da santa igreja".

Publicidade
Publicidade

O Papa disse que muitos são excluídos de receber os santos sacramentos da Igreja.

O anúncio do Vaticano chega antes do Papa Francisco fazer sua primeira visita aos Estados Unidos, que concentram um grande número de anulações, cerca da metade de casamentos desfeitos no ano de 20132, de acordo com as últimas estatísticas disponíveis.

As três principais mudanças anunciadas foram:

  • A eliminação de uma segunda revisão por um clérigo antes do casamento ser anulado;
  • Dá aos bispos o poder de anulação em determidas circunstâncias - quando há abuso e violencia doméstica ou quando acontece um caso extraconjugal, por exemplo.
  • O processo não terá grandes custos, exceto uma taxa administrativa, e deve ser finalizado em 45 dias.

As reformas do Papa vieram na forma de dois "motu proprio", do latin "pela iniciativa do próprio Papa", e começarão valer a partir de 8 de dezembro, data do Ano Santo, declarado pelo papa Francisco.

Publicidade

No final, muitas leis e instituições da Igreja devem ter um único propósito: "a salvação de almas", disse o Papa. #Religião