Nesta quinta-feira (24), foi a vez do Congresso dos Estados Unidos entrar na agenda de visita do Papa Francisco. Ele discursou para um salão repleto de congressistas e foi recebido com aplausos pelos parlamentares. A pena de morte, extremismo religioso, imigração de refugiados e o porte de armas estavam na pauta do pronunciamento do Sumo Pontífice.

Seu pronunciamento de quase uma hora, e todo em inglês, foi ouvido por democratas e republicanos, que têm opiniões profundamente divididas sobre os temas abordados pelo religioso.

Pena de Morte

A pena de morte nos Estados Unidos é oficialmente permitida em 32 estados. A maioria das execuções são realizadas pelos estados, embora o governo federal mantenha o direito de usar a pena de morte, fazendo isto raramente.

Publicidade
Publicidade

Cada estado que permite a pena de morte possui diferentes leis e padrões quanto aos métodos, limites de idade e crimes que qualificam para esta penalização.

Os Estados Unidos da América são o segundo país onde mais pessoas são executadas anualmente, superado apenas pela República Popular da China. A Igreja de Roma sempre se mostrou contrária a pena capital e o Papa Francisco inciou seu discurso com o tema que também divide a sociedade americana:

“Toda a vida é sagrada, todas as pessoas são dotadas de dignidade humana e têm o direito inalienável a vida”, disse o Papa, argumentando também que “a sociedade só pode tirar benefícios daqueles que se reabilitam de uma condenação”.

Fanatismo Religioso

O Papa também condenou a violência cometida em nome da #Religião. “O mundo está cada vez mais cedendo lugar a violência, atos de brutalidade e ao ódio em nome de Deus e da religião”, disse Francisco. “Um equilíbrio delicado é necessário para combater a violência em nome de uma religião, ideologia ou sistema econômico, mas ao mesmo tempo garantindo as liberdades individuais, intelectuais e de crenças pessoais”.

Publicidade

Armas de Fogo

Nos Estados Unidos, o direito ao porte de armas é garantido pela constituição. O religioso também disparou críticas ao livre comércio de armas. “Estar a serviço do diálogo e da paz, também significa estar disposto a terminar com diversos conflitos armados ao redor do mundo”. E continuou argumentando. “Por que armas mortais estão sendo vendidas àqueles que estão dispostos a infligir sofrimento a indivíduos e à sociedade? Tristemente, a resposta, todos nós sabemos, é por dinheiro. Dinheiro manchado de sangue”. E completou. “É nosso dever parar o comércio de armas".

E sem entrar profundamente no tema e nem pronunciar a palavra “aborto”, o Papa se limitou a dizer “é nosso dever defender a vida em todos os estágios”.

Imigração

Em seu discurso, exemplificando a si mesmo como filho de imigrantes, o líder espiritual católico defendeu a acolhida de estrangeiros. “Nos últimos séculos, milhões vieram a esta terra em busca do sonho de construir um futuro em liberdade”. E completou.

Publicidade

“Assim como eu, muitos de vocês são descendentes de imigrantes”. Também em seu discurso, emendou um apelo dirigido a todos os clérigos dos Estados Unidos para “abrigarem imigrantes sem medo”.

Essa foi a primeira visita de Francisco aos #EUA desde que assumiu a liderança da Igreja e ele foi também o quarto Papa a visitar o país. A viagem termina no fim de semana com a celebração de uma missa no Encontro Mundial das Famílias, na Filadélfia.  #Blasting News Brasil