Circulam na internet e nas redes sociais duas fotos de um mesmo evento, a primeira e bem conhecida foi viralizada na internet, a segunda foto que mostra como a possível manipulação da primeira aconteceu, foi feita pela Anadolu Agência Turca de fotos enquanto se desenrolavam os eventos e a “mise-en-scène” do fotógrafo que preparou a cena.

Ao menos é o que afirma noticia divulgada pelo site de ativistas cristãos Cavaleiros Templários Internacional. Outras midias como BBC e Taringa!, The Guardian e vários diarios europeus começam a noticiar a possível manipulação.

As imagens divulgadas merecem a análise das autoridades e da opinião pública. A foto que primeiramente foi divulgada contém a força de uma imagem que foi capaz de comover o mundo e motivar seus líderes para uma ação mais eficaz quanto ao problema dos #Refugiados Sírios, mas parece ter sido realmente manipulada.

Publicidade
Publicidade

A trágica história do pequeno Aylan só foi conhecida porque seu corpo e o de uma menina síria foram encontrados em uma praia da Turquia. Sua fotografia repercutiu pelo mundo rapidamente.

É triste que o horror mostrado nesta imagem possa ser minimizado por causa desta manipulação. A pergunta a ser feita é qual propósito haveria, o que estaria por trás disto e por quê?

A imagem do garoto morto, como se estivesse dormindo envolve todos em uma empática solidariedade, pois é difícil imaginar quem possa ser alheio a uma foto como esta.

Análises foram feitas sob a força desta imagem, a posição do corpo, e todos os mínimos detalhes que levaram todo um povo a correr desesperado de seu país, de suas casas,diretamente para o desconhecido e muitas vezes para a morte.

É suspeito para dizer o mínimo, e se comprovada, esta manipulação pode ter consequências para o recém obtido alívio aos refugiados na Europa.

Publicidade

Ainda mais porque o Governo Turco prometeu reforçar a segurança nas fronteiras com a Síria, tentando impedir o grande afluxo de refugiados.

Há motivos para suspeitar também que quem divulga a segunda imagem, o site dos “cavaleiros templários” não parece ter relevância fora dos círculos de seus simpatizantes, mas o bom senso nos diz que infelizmente pode ser o contrário e a foto tenha sido mesmo manipulada.

Melhor seria se isto não for verdade

É lamentável. E é muito plausível que tenha havido fraude, uma vez que os países da Europa que subitamente foram envolvidos nos problemas que lhes chegam de um conflito que prefeririam ignorar foram "sensibilizados" pela força desta imagem associada aos eventos reais de milhares de refugiados que todos os dias são encontrados em suas costas.

Neste momento milhares de manifestantes vão às ruas na Europa a favor dos refugiados e o EI (Estado Islâmico) divulga em seu site, Dabiq, a foto do menino e uma advertência dizendo que os sírios que buscam refúgio no ocidente cometem “um pecado que acabará com as vidas e as almas das crianças e que estão dispostos a arriscar as vidas e as almas dos que estão sob sua responsabilidade para criá-los fora da sharia e os sacrificam  durante a perigosa viagem às terras dos cruzados governadas por leis do ateísmo e indecência".

Publicidade

Líbano, Jordânia e Turquia juntos receberam 3,6 milhões de refugiados da Síria.

A BBC divulgou que segundo uma de suas fontes os Estados Unidos identificaram quatro ataques feitos pelo o grupo "Estado Islâmico" usando gás mostarda na Síria e no Iraque.

Simultaneamente surgem acusações contra o pai de Aylan Kurdi, a criança síria encontrada afogada na costa da Turquia, por sobreviventes do naufrágio.

O pai do menino é acusado de trabalhar junto aos traficantes de pessoas que fazem a travessia no Mar Mediterrâneo. As testemunhas ouvidas pela agência Reuters, disseram que Abdullah Kurdi pilotava o barco que afundou no caminho da Grécia.

O pai do menino disse semana passada, que um turco pilotava o barco e que havia se jogado ao mar antes do incidente. A tragédia dos refugiados assume muitas gradações e controvérsias e mostra o conturbado momento que o mundo enfrenta. #Terrorismo #Ataque