No último sábado, 24, a humanidade quase se torna novamente testemunha de um caso semelhante ao do menino sírio de 3 anos, de nome Aylan Kurdi, encontrado morto por afogamento em Bodrum, na costa da Turquia, voltada para o mar Egeu.

Fato é que as migrações humanas em escala global têm provocado verdadeira comoção através da mídia mundial e causado sofrimento sem limites, principalmente aos mais velhos, mulheres e crianças indefesos.

Os meios de comunicação da Turquia estão disseminando com uma rapidez tremenda, devido ao grande apelo emocional, um vídeo estarrecedor e triste na internet, com suas várias mídias sociais e blogs, que já se transformou em um viral na visualização e comentários de milhões de pessoas.

Publicidade
Publicidade

O vídeo mostra pescadores, habitantes da cidade de Kusadasi, balneário turístico turco, que resgatam uma pequena criança com um colete salva-vidas, a qual tinha afundado em um naufrágio na parte do Mediterrâneo, que é chamada de Mar Egeu, entre a Grécia e a Turquia.

Na realidade, o navio do bebê – de apenas 18 meses de vida, conforme pode ser observado no vídeo anexo – tinha afundado no último dia 21, onde dois refugiados de origem síria foram encontrados mortos, tendo mais 16 desaparecidos na catástrofe. Outras 15 pessoas, incluindo o menininho, estavam entre os que conseguiram ser resgatados ainda vivos.

Os turcos estavam trabalhando na pesca e repentinamente notaram que havia um bebê boiando com o típico colete de salvamento. Todos pensaram, pelo corpo gelado e pálido do menino, que o mesmo já se encontrava morto, entretanto, tão logo o içaram ao barco de pesca, os homens ficaram desesperados, pois a criança faziam barulho ao respirar, sendo “batizada” de Muhammad, ou Maomé, que é o equivalente do nome em português.

Publicidade

Nesta época do ano, o Mediterrâneo apresenta fortes correntes marítimas, a água fica gelada e as tempestades com rajadas de vento, chuva e neve são muito comuns, tanto que o menino apresentava quadro de hipotermia com a emissão de espuma (água do mar) pela sua boca e tendo o corpo paralisado pelo frio.

A criança foi conduzida com rapidez ao Hospital Estadual de Esmirna, e o mais incrível é que apresentava um quadro razoável de estado de saúde e vitalidade. O menino fazia parte de um grupo de refugiados, alguns seus parentes, que vinha fugido da #Guerra Civil da Síria, que está destruindo esse país milenar, ou seja, Muhamad quase foi mais uma criança que “escorreu das mãos da vida” para a morte pela ignorância dos governantes políticos, chefes militares e religiosos. #Blasting News Brasil #Crise migratória