As inundações desse último final de semana estão atormentado milhões de franceses na zona da Riviera, a sudoeste de França. Segundo a imprensa francesa “France Press”, mais de 17 pessoas morreram afogadas pois terão sido surpreendidas com uma enorme inundação que cobre centenas de quilômetros em território francês. Cannes e Nice foram algumas das cidades que mais sofreram com a chuva intensa que se está verificando, sendo que suas estradas e ruas se transformaram completamente em rios, que arrastavam todo o lixo das cidades. Entre as vítimas confirmadas, está uma imigrante portuguesa que não conseguiu sair de seu carro, morrendo tragicamente afogada.

Publicidade
Publicidade

Segundo as informações oficiais, em apenas três horas, a chuva caiu até 180 milímetros na zona da Riviera, fazendo com que muitos carros que estavam parados na rua fossem parar no mar, empurrados pelas inundações em toda a cidade. A tempestade foi tão surpreendente que muitas pessoas acabaram sendo apanhadas desprevenidas, o que causou tantas mortes em apenas um dia.

Na sua maioria franceses e sem nenhuma vítima brasileira, das 17 vítimas uma era Maria Meira, uma imigrante portuguesa com 47 anos, que segundo a imprensa internacional, morreu por afogamento, depois de, apesar de todos os esforços, não ter conseguido sair de seu carro, que estava submerso por causa da inesperada inundação. Os danos desse desastre são incalculáveis, sendo que a essa região é muito rica e acaba recebendo muitos turistas nessa altura do ano, que também não estariam contando com um tempo tão ruim.

O tempo parece ter melhorado nessa segunda-feira, dia 5 de outubro, nas zonas mais afetadas, sendo que agora cabe às autoridades locais tentar calcular as perdas humanas e materiais de uma das piores inundações da história de França.

Publicidade

Outro países como é o caso de Espanha já afirmaram que estão ajudando o sudoeste francês em tudo o que eles precisam, com o objetivo de regularizar essa situação extrema o mais rapidamente possível e sobretudo para que não haja mais vitimas como Maria Meira. #Europa #Casos de polícia