Na cidade de Calabar, na Nigéria, dez pessoas foram colocadas em quarentena depois de entrar em contato com um homem que mostrou sintomas do #Ebola, segundo autoridades. O homem teria morrido pouco depois de ser internado no hospital da cidade, no sul do país.

Na quarta-feira, dia 07 de outubro, os três países mais afectados pelo vírus Ebola - Guiné, Serra Leoa e Libéria - tiveram sua primeira semana sem novos casos desde o surto que começou em março de 2014. Mais de 11.000 pessoas morreram devido à doença no oeste africano, a pior ocorrência na história da doença.

Novos casos caíram acentuadamente em 2015, mas a #Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou que a doença poderia aparecer novamente. O mais recente susto aconteceu quando um paciente chegou ao Hospital da Universidade de Calabar na quarta-feira. "Enviamos amostras de sangue para testes e colocamos em quarentena algumas pessoas que tiveram contato como paciente infectado", disse Queeneth Kalu, médico-chefe do hospital.

Publicidade
Publicidade

“Aqueles que estão em quarentena são enfermeiros que auxiliaram o paciente”, acrescentou o médico. O Ebola chegou à Nigéria em julho de 2014, quando um homem de negócios da Libéria entrou em colapso no aeroporto de Lagos. No entanto, a OMS declarou o país livre do Ebola em outubro do ano passado.

O Ebola é uma doença infecciosa grave que muitas vezes se torna fatal. O vírus, que provavelmente é originado em morcegos frugívoros, foi detectado pela primeira vez em 1976, em um surto perto do rio Ebola, que é hoje a República Democrática do Congo. Pode levar de dois a vinte e um dias para os sintomas aparecerem. As pessoas não são infecciosas até que os sintomas se desenvolvam.

O vírus é transmitido através do sangue e secreções - em alguns casos, até sete semanas depois do paciente se recuperar. Não há cura provada para o Ebola.

Publicidade

Algumas drogas experimentais, como a ZMapp, tem sido usadas, mas a eficácia ainda não foi comprovada.

Vacinas também estão sendo testadas nos Estados Unidos, Canadá, Rússia e Reino Unido. #Blasting News Brasil