Já imaginou receber R$ 12 mil por semana para fumar maconha? Pois é exatamente isso que o NIDA (Instituto Nacional de Abuso de Drogas) está propondo para os voluntários que aceitarem participar de um estudo sobre os benefícios e malefícios do uso da droga.

O instituto, que fica nos Estados Unidos, tem como objetivo analisar as consequências do uso da erva no organismo humano, derrubar alguns mitos e até mesmo ter uma base científica para ajudar na liberação do uso da maconha.

O estudo busca ainda analisar se o uso da erva realmente ajuda a aliviar o estresse e se tem resultados satisfatórios no tratamento de doenças. A princípio, serão 300 voluntários que ficarão confinados dentro do instituto e farão atividades rotineiras do dia a dia, como cozinhar, cuidar da casa e lavar roupas.

Publicidade
Publicidade

Tudo isso fazendo várias pausas para o uso de maconha.

Quem se interessar, pode se inscrever pelo site do instituto, preencher uma ficha e aguardar ser chamado para uma entrevista.

O projeto conta ainda com um planejamento pós-estudo, onde todos os participantes passarão por um processo de desintoxicação e tratamento para os que se viciarem na droga, e contarão com acompanhamento medico e psicológico. Vale lembrar que o uso da maconha ainda é um tabu para muitos países, enquanto em outros, a erva é liberada e consumida em espaços públicos. Veja alguns exemplos de países que liberam o uso da maconha.

O Uruguai foi o primeiro país a legalizar o uso, venda, cultivo e distribuição da maconha na América do Sul. Segundo a lei do país, pessoas com mais de 18 anos poderão comprar até 40 gramas por mês da droga, que é plantada pelo governo.

Publicidade

Também é permitido ao cidadão plantar até 6 mudas por ano. Porém, não é legal atravessar as fronteiras do país com a droga. Por exemplo, se você vai para o Uruguai e tentar trazer maconha de lá para o Brasil, poderá ser preso por tráfico internacional de drogas.

Na Holanda, o governo criou uma política que tolera o uso da maconha com algumas condições específicas. A venda só é legal nos famosos coffeeshops, cuja entrada só é permitida a pessoas que tenham idade acima de 18 anos. Os cafés não podem fazer propaganda das drogas e não podem vender mais que cinco gramas de maconha por pessoa por dia. Importante frisar, o consumo de maconha em Amsterdam não é legal, porém, é tolerado sem punição, seguindo algumas regras específicas.

No Brasil, a proibição do uso, plantio e comercialização da droga continua sendo crime, mas existem projetos que buscam a liberação do uso. #Curiosidades #Medicina #Blasting News Brasil