Laura e Dave Liggins ainda não acreditam que têm a pequena Casey em seus braços e bem de saúde. Esse casal de Bolton, na Inglaterra, viveu um pesadelo nos últimos meses, mas graças a um ensaio clínico, sua bebê sobreviveu. Casey nasceu onze semanas prematura, com somente 590 gramas de peso. Para trás, tinha ficado uma longa luta e muito desespero de seus pais e uma boa dose de... viagra

Sim, sim. O mesmo comprimido 'azul' que alguns homens tomam para combater a impotência sexual. Neste caso, os médicos usaram para salvar a vida desse bebê, quando ele não tinha ainda nascido. Segundo os especialistas, o medicamento pode impulsionar o fornecimento de sangue para o feto, o que permitiu para a bebê Casey ficar por mais algum tempo no útero, crescendo mais um pouco e garantindo uma melhor chance de sobrevivência pós-parto. 

Foi no ultra-som das 20 semanas que os pais Laura e Dave ficaram sabendo que algo de errado se passava com a bebê.

Publicidade
Publicidade

Os médicos perceberam que ela era muito pequena, pesava apenas 450 gramas, mas que tirando isso, estava tudo bem com ela. Pediu para não se preocuparem e para voltarem dentro de quatro semanas para nova avaliação.

Na examinação das 24 semanas repararam em um problema com a placenta e que Casey não crescia normalmente por causa de uma má circulação sanguínea através do cordão umbilical. Os médicos não deram muitas esperanças para os pais mas falaram para eles de um ensaio clínico, em Manchester, para grávida  de bebês que não cresciam adequadamente. O tratamento seria com viagra. "Nunca eu em milhão de anos, pensaria em alguma vez tomar viagra", contou Laura ao jornal Mirror.

Mas se havia uma oportunidade para Casey, os pais não tiveram dúvidas. "Se havia chance e se ela estava lutando, então tínhamos que lutar por ela" disse Laura, revelando a decisão do casal em ir para a frente com o procedimento. 

Com o tratamento, Casey se aguentou por mais umas semanas e cada dia que passava dentro da barriga de Laura, ganhava mais oportunidade de sobreviver.

Publicidade

"Foi uma tortura", contou o pai para o jornal Mirror, recordando como foi difícil todo o processo, todo o estresse, por não saberem se ela se ia aguentar. 

Já nas 29 semanas, o sangue parou de bombear e os médicos tiveram mesmo que fazer o parto antecipado. Casey nascia com 590 gramas, peso que foi suficiente para sobreviver. Ainda ficou por doze semanas na incubadora do hospital, mas já está em casa fez duas semanas nesta sexta-feira, dia 9 de outubro. E os pais nem disfarçam toda a felicidade do lado de Casey e de Aaron, o filho mais velho, de 16 meses.  #Família #sistema de saúde