Neste sábado dia (3), um bombardeio em Kunduz, no norte do Afeganistão, atingiu um hospital matando 16 pessoas, entre elas, 9 funcionários da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), quatro pacientes adultos e três crianças. Mais 37 pessoas ficaram feridas entre elas – 19 funcionários.

Em nota, o MSF disse que as partes envolvidas no conflito, estavam cientes da localização exata do hospital e de outras unidas da organização do MSF. Mesmo após os militares dos #EUA e afegães serem informados do ataque ao hospital, o ataque continuou por mais 30 minutos.

A unidade do MSF é uma unidade muito importante em Kunduz, e estava operando bem acima de sua capacidade devido aos constantes combates entre o exército e os talibãs que dominaram a cidade durante vários dias.

Publicidade
Publicidade

Segundo a ONG, durante o intenso bombardeio o centro de traumatologia da MSF ficou muito danificado. Foi confirmada a morte de 9 membros da MSF, 37 pessoas feridas gravemente, e varias pessoas desaparecidas.

No momento do bombardeio encontravam-se no local, 105 pacientes e mais de 80 funcionários locais e internacionais.Na véspera do bombardeio, 59 crianças estavam sendo atendidas no centro, informou o MSF.

Possíveis responsáveis

A Otan informou à AFP, que o ataque aéreo que atingiu o hospital da organização internacional de assistência, “pode ter sido” comandado pelos EUA.

 O porta-voz da missão da Otan no Afeganistão à AFP, o coronel Brian Tribus, declarou que um ataque aéreo foi realizado em Kunduz contra pessoas que ameaçavam a força de coalizão. E que pode ter havido efeitos colaterais.

Publicidade

Os EUA ao reconhecer que possivelmente causou  "danos colaterais" na instalação médica durante o bombardeio em Kunduz, iniciou uma investigação sobre o incidente.

Já o governo Afegão acusa os EUA de ter bombardeado o hospital.O porta-voz do Ministério da Saúde do Afeganistão, Wahidullah Mayar escreveu no Twitter que após bombardeio dos Estados Unidos ao hospital em Kunduz, pelo menos três pessoas morreram e 37 ficaram feridas. O porta-voz enfatizou que havia 24 integrantes da organização comunitária entre as vítimas.

Desde a expulsão do talibã do poder pela invasão americana, Kunduz foi a primeira grande cidade afegã tomada pelos talibãs. #Terrorismo #Guerra Civil