Um estudo afirma ser inevitável que Miami, entre outras cidades costeiras dos Estados Unidos, sejam engolidas pelo mar. Ben Strauss, autor principal do estudo, afirmou que agora é muito tarde e não adianta nem um esforço e que isso realmente ocorrerá. Strauss disse também que para o bem das cidades costeiras devemos fazer boas escolhas em relação a emissão de CO2.

“Em longo prazo é difícil imaginar como proteger Miami”, destaca Ben Strauss, explicando que é difícil a construção de diques e barreiras devido ao terreno pantanoso, e que também Miami está a baixa altitude. O maior número de cidades que correm o risco de desaparecer fica no estado da Florida, onde abriga 40% da população americana que será atingida pelo acontecimento.

Publicidade
Publicidade

Além do estado da Florida, outros três estados sofrerão com a invasão do mar: Califórnia, Louisiana e Nova York. Strauss afirma que será muito pior em Nova Orleans, que também ficará submersa. Nova York também será atingida, mas, no pior dos casos, só será invadida pelo mar após 2085, prevê o estudo de Strauss.

Strauss, vice-presidente da ONG Climate Central, explica que se nada for feito para diminuir a queima de combustíveis fósseis, o planeta sofrerá com o nível do mar que poderá atingir entre 4,3 e 9,9 metros. Ele afirma que os cientistas já sabem que isso ocorrerá, e que agora só falta saber quando, mas que isso será inevitável. 

Ainda segundo o pesquisador, isso pode acontecer muito rápido, ou poderá demorar séculos, e que não dá para precisar quando acontecerá. De acordo com os estudos, uma medida brusca para a diminuição de carbono para os níveis de 1950 seria favorável, apesar de que outras zonas também teriam que diminuir e muito os níveis.

Publicidade

Cem mil habitantes, divididos entre 14 cidades, poderiam salvar-se desse desastre pelo menos nesse século, por exemplo, Sacramento e Stockton (Califórnia), Jacksonville (Flórida), Norfolk e Virginia Beach (Virgínia). “Estamos buscando expor os efeitos de nossas escolhas referentes às emissões de CO2”, afirma Strauss.

James Hansen é o cientista que editou o estudo. Ele é um conceituado cientista da NASA, muito conhecido por suas pesquisas sobre mudança de clima. #Curiosidades #EUA #Blasting News Brasil