O #Terremoto ocorreu nesta segunda-feira (26), por volta das 13h30 (7h de Brasília), ao norte do Afeganistão com 7,5 de magnitude, que chegou ser sentido no Paquistão e no norte da Índia. O número de vítimas ainda não se sabe ao certo, mas a Agência France Presse informou que 45 pessoas estão mortas e 100 ficaram feridas, podendo haver mais vítimas sob os escombros no local.

O terremoto chegou a 213 quilômetros de profundidade e 254 quilômetros da capital do Afeganistão em Cabul. 12 meninas morreram e 35 ficaram feridas no tumulto ao tentarem escapar para fora da escola, na cidade Afegã de Tolaqan, e acabaram sendo pisoteadas no corre-corre.

Publicidade
Publicidade

No Paquistão, o número de mortos chegam a 12 pessoas pelo menos, incluindo uma pessoa que morreu na cidade de Peshawar, informação dada pelo o governo. Cerca de 100 pessoas feridas foram hospitalizadas e outras 194 feridos da região de Swat estão sendo transferidos a centros médicos.

O fenômeno durou cerca de um minuto e prédios da região começaram a tremerem, levando funcionários dos escritórios a saírem dos prédios, provocando um grande tumulto nas ruas. O terremoto atingiu grandes cidades do Paquistão, são elas: Lahore, Islamabad, Rawalpindi, Peshawar e Quetta. O terremoto foi em Hindukush, uma região montanhosa povoada que faz parte da cortilheira do Himalaia e é compartilhada por Afeganistão e Paquistão.

Autoridades locais ordenaram às agências militares e federais civis a fazerem declaração de emergência e a mobilizarem recursos para assegurar a segurança das pessoas do Paquistão, informou o governo paquistanês.

Publicidade

Esse terremoto é o de maior intensidade no sul da Ásia, quando um terremoto atingiu o Nepal em abril e outro em seguida em maio deste ano, causando a morte de nove mil pessoas, o que deixou milhares de casas totalmente destruídas pelo terremoto de 7,8 de magnitude. Outro terremoto, de 7,6 magnitude, que atingiu o Paquistão em 8 de outubro de 2005, há mais de uma década, causou a morte de 75.000 pessoas no país.

Segundo o portal R7: “Essa região montanhosa é sismicamente ativa e as movimentações tectônicas no subcontinente indiano podem causar enorme e destrutiva liberação de energia”. #Natureza #Blasting News Brasil