O Observatório Sírio dos Diretos Humanos divulgou nesta segunda-feira (30), dados assustadores da guerra na Síria. Segundo a entidade, os bombardeios russos no país levou a morte 1.502 pessoas. A maioria dos mortos são civis e há uma quantidade alarmante de crianças e adolescentes também entre os assassinados.

Os ataques começaram no dia 30 de setembro. Entre os mortos, também foram identificados 419 membros do grupo Estado Islâmico (EI) e 598 combatentes da Al Nosra, (a facção local da Al-Qaeda), e outros grupos rebeldes, segundo a ONG.

Crianças e adolescentes na linha de fogo

“O que mais nos incomoda é o altíssimo número de crianças e adolescentes vitimados nesses bombardeios.

Publicidade
Publicidade

É alarmante a quantidade de jovens que estão sendo colocados na linha de frente dessa guerra. A maioria deles nem sabe por que estão morrendo ou matando”, disse a representante do Observatório sírio.

A Rússia, que firmou aliança com o regime de Bashar al Assad, iniciou os ataques na Síria em março de 2011, com o objetivo de combater a ameaça eminente do grupo terrorista Estado Islâmico. Porém, apesar das muitas vítimas em território sírio, os combatentes aliados do EI não se intimidaram, tanto que responderam com um #Ataque desumano a França, onde vitimaram 256 pessoas.

Além disso, os terroristas também derrubaram um avião no Egito, com 127 passageiros, e seguem fazendo várias ameaças de ataques. Em vídeo divulgado pelo próprio grupo, um homem usando capuz afirma que em breve eles irão ferir os Estados Unidos em sua capital, Washington.

Publicidade

O presidente americano, Barack Obama, reforçou a segurança no país e se uniu a Rússia para combater o Estado Islâmico, desde então. Tanto o comando militar americano, como a Rússia, a França e o governo de Damasco, estão comunicando diariamente todos os pontos que estão atacando.

“Estamos nos esforçando ao máximo para não atingirmos inocentes. Os ataques estão sendo concentrados em territórios militares e campos de treinamento. Vamos responder a altura os ataques sofridos e não vamos parar até eliminarmos o grupo terrorista Estado Islâmico”, afirmou Obama. #Terrorismo #Guerra Civil