Aos 23 anos, a mexicana Karla Jacinto tem já uma dura história de vida para contar. A jovem fez parte do mercado do tráfico humano, um negócio que no seu país gera cada vez mais lucro. Depois de ser traficada ela acabou sendo estuprada 43.200 vezes e tudo começou porque se apaixonou.

Foi de uma maneira emocionada e com a voz tremendo que, Karla contou a sua história à CNN. “Cresci em uma família disfuncional. Fui estuprada e mal tratada fisicamente desde os 5 anos por um familiar.” Acrescentando ainda que desde que se lembra que se sentiu rejeitada por sua mãe.

Aos 12 anos, ela foi abordada na rua por um homem de palavras meigas e simpáticas, um tipo de palavras que ela nunca tinha ouvido.

Publicidade
Publicidade

Ela estava esperando por amigos perto de uma estação de metrô, na Cidade do México, quando uma criança foi ter com ela e lhe deu um doce, dizendo que alguém lhe tinha pedido para entregar a Karla aquele presente.

Cinco minutos depois, um homem mais velho apareceu e começou a falar com ela. Depois de alguns minutos de conversa ele conseguiu convencê-la a trocar números de telefone e uma semana depois estava viajando com ele para perto de Puebla. “Quando vi o carro dele não conseguia acreditar. Fiquei impressionada com um carro tão bom. Ele pediu-me para entrar no carro pois íamos conhecer novos lugares.”

Sair de casa não foi difícil para Karla Jacinto, ela era mal tratada e estava procurando uma oportunidade para fugir da miséria em que vivia. Pouco tempo depois, a jovem mexicana, foi viver com o agora namorado de 22 anos, em Tanancingo, uma cidade que é, o maior centro de tráfico humano do México e um dos maiores em todo o mundo.

As palavras meigas do namorado de 22 anos passaram à ordens.

Publicidade

E depois de três meses vivendo com ele foi levada para Guadalajara, onde o maior drama da sua vida se iniciou. Karla foi forçada a trabalhar na prostituição. Ela começava trabalhando às 10 da manhã e terminava, quase sempre, depois da meia-noite.

Karla Jacinto revelou friamente à CNN, que foi estuprada 43.200 vezes. Durante aquele tempo, quatro anos, ela dormia com 30 homens diferentes todos os dias da semana. Alguns deles eram cruéis e se riam na cara dela quando a viam chorando.

A menina mexicana tentou ir embora, mas não conseguiu. O seu “namorado” era cruel, batia-lhe e acusava-a de se apaixonar por clientes. “Disse-me que eu gostava do trabalho que fazia.”

O dia de maior terror

Não adiantava contar à polícia. Os policiais eram corruptos e colaboravam com os traficantes, mas um dia, quando Karla estava trabalhando em um hotel, viu entrar cerca de 30 policiais. Eles expulsaram os clientes e, a jovem mexicana respirou de alívio. “Pensava que nos iam salvar,” mas ela estava enganada, os policiais mandaram todas as jovens, algumas eram apenas meninas de 10 anos, entrar nos quartos e filmaram-nas em posições comprometedoras ameaçando mandar os vídeos para os seus familiares se não fizessem o que ordenavam.

Publicidade

O pesadelo da menina acabou finalmente em 2008, então com 16 anos e com um filho do traficante que a levou. Ela foi resgatada em uma operação antitráfico, realizada por uma unidade especial na Cidade do México.

Karla Jacinto é agora uma das caras na luta contra o tráfico humano, um #Crime com 20 mil vítimas no México todos os anos. Agora com 23 anos ela quer fazer a diferença e contar a sua história em voz bem alta para que, cada vez menos meninas entrem num pesadelo igual ou parecido aquele que viveu.

O que acha dessa história chocante? O que pensa que devem fazer as autoridades para combater esse tipo de crimes? #Violência