Na noite de sexta-feira, 13 de novembro, cerca de três horas após os ataques que ceifaram a vida de dezenas de pessoas na capital francesa, o grupo terrorista #Estado Islâmico reivindicou a autoria do massacre e ameaçou fazer o mesmo em Washington, nos Estados Unidos, em Roma, na Itália e em Londres, no Reino Unido.

Os terroristas comemoraram na internet usando uma hashtag em árabe que traduzida significa 'Paris em Chamas'. Além de comemorar, o grupo avisa que os ataques foram uma 'lição' aos franceses. Nessa semana, caças do exército francês destruíram uma base de petróleo dominada pelo EI na Síria. Acredita-se que a 'lição' tenha relação com esse ocorrido e que tenha servido de represália.

Publicidade
Publicidade

Assim que o massacre começou, o presidente da França se encontrava no estádio de futebol da capital para acompanhar a partida amistosa entre a seleção da França e da Alemanha. Com as primeiras explosões o presidente foi retirado do local às presas. Imediatamente, ele mandou fechar todas as fronteiras da França, decretou estado de urgência e colocou o exército francês nas ruas.

Até o momento, sabe-se que mais de cem pessoas foram cruelmente executadas pelos terroristas. Mais centenas de outras pessoas estão feridas. Dentre os feridos encontram-se dois brasileiros, uma estudante que segundo a cônsul brasileira passa bem e um arquiteto que levou três tiros nas costas e que passa por uma cirurgia nessa madrugada. Seu estado é delicado e grave.

Muitos moradores oferecem suas casas para acolher as pessoas que estão desamparadas nas ruas.

Publicidade

Motoristas de algumas linhas de ônibus se arriscam em desvios para atender as pessoas nas ruas e as vitimas. Esse é o maior massacre sofrido pelo país nos últimos anos desde a grande guerra mundial.

Autoridades mundiais já se pronunciaram e sugeriram juntar forças para acabar com o Estado Islâmico. François Fillon, ex primeiro ministro disse que não tem dúvidas que 'a guerra está entre nós' e determinou que o país resistirá e que combaterão o EI juntos. Veja o tweet de François abaixo:

#Terrorismo #Ataque