Um filhotinho de cachorro nasceu apenas com as duas patas traseiras, o que tornava a sua locomoção uma verdadeira luta. O cãozinho tem apenas 6 meses de vida, e sua dificuldade de se mexer tocou muitos corações. Felizmente agora ele conseguiu um auxílio para se locomover: uma cadeirinha de rodas, feita graças à ajuda de uma impressora 3D. A cadeirinha demorou 14 horas para ficar pronta. O cachorrinho ainda sente um pouco de dificuldade de usar o presente, mas é apenas questão de tempo para ele estar correndo livremente pela casa.

'Milagres' em 3D

O cachorrinho citado no início do texto não é o único deficiente a ganhar uma prótese em 3D.

Publicidade
Publicidade

Muitas crianças que nasceram sem alguns dos membros finalmente podem brincar sem restrições.

O garoto americano Dawson Riverman é uma delas. Ele nasceu sem os dedos da mão esquerda e tarefas simples como segurar uma bola e amarrar os sapatos eram muito complicadas. A família do garoto não tinha condições financeiras de pagar uma prótese para ele. Até que um homem  - até então desconhecido da família - que possuía uma impressora 3D, se comoveu com a história e fez uma prótese para o garoto, sem cobrar nada por isso. Hoje, Dawson anda de bicicleta, joga futebol e beisebol normalmente.

A popularização das impressoras 3D é um grande avanço neste campo: o equipamento permite a produção próteses baratas. Muitas crianças necessitam desse tipo de equipamento: cerca de um a cada mil recém-nascidos nasce sem algum membro.

Publicidade

Próteses comuns de reposição de membros são equipamentos médicos complicados: são alimentadas por baterias e podem custar milhares de dólares. Mesmo que os pais tenham condições de comprar o equipamento, as crianças crescem rápido demais para que o investimento valha a pena. Por isso, grande parte fica sem as próteses, lutando para fazer com uma das mãos o que a maioria de nós faz com as duas.

A diferença de preço entre próteses comuns e as 3D são astronômicas. Enquanto o material para uma prótese de mão impressa em 3D custa só cerca de 20 a 50 dólares (de 70 a 190 reais), as comuns não saem por menos de 5 mil. E alguns especialistas dizem que elas funcionam tão bem quanto, se não melhor, do que as que custam muito mais. A E-nable, uma organização de voluntários on-line, busca mudar essa esse quadro.

Fundada em 2013 pelo Dr. Jon Schull, o grupo reúne crianças que precisam de próteses de mãos e dedos, com voluntários capacitados para fazê-las em impressoras 3D. Os desenhos podem ser mandados para as máquinas sem custo nenhum, e as pessoas que criam os novos modelos dividem os seus planos de software de graça com outras. #Curiosidades