A cônsul-geral do Brasil em território francês, Maria Edileuza Fontenele Reis, falou que um casal de brasileiros atingidos no ataque passa bem. Eles foram atingidos durante a ação terrorista, ocorrida em Paris na sexta-feira, dia 13 de novembro. Esse atentado é o pior da história da França.

''As informações que foram passadas pelos médicos é que os brasileiros que foram atingidos durante o ataque estão passando bem'', falou Maria Edileuza para o 'Hora 1'.

Um dos locais em que foram registrados os ataques, foi no Canal Saint-Martin, que fica localizado no 10° distrito em Paris. Os brasileiros foram ao Le Petit Cambodge, que é um restaurante e fica próximo ao local do tiroteio.

Publicidade
Publicidade

"Um arquiteto brasileiro, que estava na capital francesa a trabalho, foi ferido com 3 tiros e o seu estado é delicado", comenta Maria Edileuza para a BBC.

No restaurante, uma brasileira levou um tiro de raspão e está passando bem. No mesmo local, o arquiteto levou os 3 tiros na costa. A brasileira mora na cidade e é estudante, segundo informações da cônsul. Eles estavam jantando com seus amigos no exato momento do ataque. "Até o momento não há informações sobre os detalhes ocorridos no local. Não tenho mais conhecimento sobre como está o arquiteto'', diz Maria Edileuza.

Um professor que está no hospital está dando as informações para a cônsul, o mesmo é amigo do arquiteto. É bem provável que o grupo terrorista tenha feito uso de armas automáticas, e que foram ouvidos de 19 a 30 tiros, disseram pessoas que estavam no restaurante para os jornalistas. 

Nenhum grupo radical assumiu a autoria dos ataques que ocorreram em Paris. No local onde aconteceu o ataque (Bataclan), que é um casa de shows, onde estava acontecendo um apresentação de uma banda de rock, muitas pessoas ficaram feridas, aproximadamente 40 pessoas morreram e muitas ficaram como reféns, segundo relato dos jornalistas locais.

Publicidade

"Todos os acessos ao país foram fechados e o nível de segurança está em seu estado máximo", foi o que decretou François Hollande, presidente da França. #Terrorismo #Crime #Investigação Criminal