Um vídeo divulgado na internet mostra o chocante momento em que um combatente do Estado Islâmico (ISIS) é atingido por um morteiro, enquanto gravava um vídeo com o intuito de divulgar propaganda a favor da organização terrorista. As informações sobre a autoria do #Ataque ainda são conflitantes, pois algumas fontes afirmam que o ataque partiu das forças armadas francesas, enquanto outras, como a descrição do próprio vídeo divulgado no YouTube, alega que se tratou de um ataque proveniente do exército sírio, mais conhecido internacionalmente pela sigla SAA, ou Syrian Arab Army.

No vídeo, é possível ver que o jihadista conversava tranquilamente com a câmera, até que se escuta um som.

Publicidade
Publicidade

Mal tendo tempo de se virar para ver do que se tratava, o terrorista tenta fugir em vão, pois ocorre uma enorme explosão, deixando tudo escuro. Um fato impressionante é que, apesar da explosão ter sido muito próxima, a câmera continuou filmando normalmente, e mesmo a imagem permanecendo escura, é possível escutar gritos ao fundo.

Informações que chegaram à imprensa relatam que o operador da câmera, identificado como Ahmed Abu Hamza, também teria morrido no ataque, que ocorreu próximo a um depósito improvisado.

Luta da França contra o Estado Islâmico

A França iniciou bombardeios a redutos do #Estado Islâmico logo após os atentados que ocorreram em Paris, no dia 13 de novembro, resultando no assassinato de 130 pessoas inocentes. Juntamente com os russos, os franceses têm atacado sistematicamente os terroristas localizados em solo sírio.

Publicidade

Nesta sexta-feira, 27 de novembro, o ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, declarou que a as tropas militares da Síria leais ao presidente Bashar Al-Assad podem se associar na luta contra o Estado islâmico, embora tenha dito também que a posição oficial da França é que o presidente sírio seja afastado de seu cargo. Fabius declarou que Assad "não pode ser o futuro de seu povo".

Para a França, o principal objetivo da investida militar continua sendo a cidade de Raqqa, que é uma espécie de quartel-general do Estado Islâmico. #Terrorismo