Na última sexta-feira (20), duas torres de alta tensão, que forneciam energia elétrica à população da Crimeia, foram explodidas por sabotadores desconhecidos. No começo de domingo (22), outras duas torres foram novamente atacadas, o que acabou por desligar toda a energia na Crimeia.

Segundo declaração do jornal The Guardian, quase 2 milhões de crimeanos ficaram sem energia durante o fim de semana, e as autoridades locais declararam estado de emergência. Os geradores e as fontes de energia alternativas, embora já ativados, não são eficientes para cobrir todo o território, e o problema persistirá por um bom tempo. O dia 23, segunda-feira, foi declarado feriado devido às complicações enfrentadas para restaurar o abastecimento energético aos habitantes.

Publicidade
Publicidade

Especula-se que os ataques tenham sido promovidos por ultranacionalistas ucranianos, opositores à anexação da Crimeia pela Rússia, ocorrida em 2014. Caso os boatos se confirmem, a relação entre Rússia e Ucrânia deve ser mais prejudicada ainda, já que, desde o ano passado, as tensões entre os dois Estados têm se mantido perigosas. Segundo também informou o portal de notícias da UOL, ativistas entraram em conflito com forças paramilitares no sábado, próximo às duas primeiras torres de energia, numa tentativa de impedir os reparos aos postes.

A destruição das torres foi taxada de "criminosa" e "terrorista" pelas autoridades locais, que prometem investigar o caso. A reconstrução, ao que tudo indica, está sendo realizada pelo ministério de Energia da Ucrânia, que inclusive negou ajuda russa. 

A Crimeia, no presente momento, possui poucos meios de suprir sua demanda energética, e é muito dependente do fornecimento ucraniano.

Publicidade

Há planos para, nos próximos meses, serem construídas estações que usufruiriam do gás russo, o que promete capacitar a região da Crimeia para uma maior independência em relação à energia.

As autoridades crimeanas deixaram claro que, independentemente de ataques e tentativas de chantagem, quaisquer que fossem as intenções, as forças opositoras não obterão resultados. #Terrorismo #Ataque