Com incessantes ataques de militantes islamitas no Quênia, África, o papa Francisco, em visita a Nairobe, fala da importância do diálogo para que se ensine aos jovens a não usar da violência em nome de Deus, o que é injustificável, e que não vem de encontro com a sua palavra. Nessa quinta-feira, 26, ele destacou também a importância do diálogo entre as religiões.

Em sua primeira turnê no continente africano, o papa Francisco tem como principal objetivo encontrar uma forma de resolver as questões que dividem muçulmanos e cristãos, incluindo também Uganda, país que juntamente com o Quênia vem sofrendo com os ataques islamitas, passando pela República Centro-Africana, que está dilacerada  por conflitos entre pessoas de extremo fanatismo de ceitas religiosas.

Publicidade
Publicidade

Começando pela capital queniana, papa Francisco fez questão de se encontrar com muçulmanos e outros líderes religiosos, depois celebrou uma missa ao ar livre para milhares de pessoas. Nem a chuva impediu que os presentes cantassem e dançassem com a chegada do papa Francisco no papamóvel.

Papa Francisco fala para 25 líderes religiosos

O papa Francisco falou para cerca de vinte e cinco líderes religiosos que "Muitas vezes os jovens estão se radicalizando em nome da #Religião para semear a discórdia e o medo e para rasgar a estrutura da nossa sociedade." Ainda enfatizou  que o diálogo entre as religiões não é algo luxuoso, não é uma opção e sim essencial, deixando claro que o nome de Deus não deve ser justificativa para a disseminação  do ódio e nem da violência - referindo-se aos ataques da Al Shabaab, um grupo islamita que deixou um rastro de destruição no Centro Comercial Westgate Nairobe e na Universidade de Garissa, ocorrido esse ano.

Publicidade

Nos últimos três anos já foram mortas centenas de pessoas, sendo que os cristãos são os alvos preferidos desses extremistas.

A viagem do papa Francisco à África objetiva uma aproximação maior com a população católica, que vem crescendo muito nos últimos anos no continente africano. Estima-se que até 2050 a população católica chegue a meio bilhão. #Igreja