No parlamento francês, o primeiro-ministro da França confessou que armas químicas podem ser usadas pelo #Estado Islâmico a qualquer momento, o que provocaria um atentado à humanidade sem precedentes.

Segundo informa o canal “Tvi24”, Manuel Valls admitiu que as autoridades francesas estão à espera de qualquer tipo de ataque, pois sabem que esses terroristas têm uma “imaginação muito macabra e completamente ilimitada”. Além disso, o primeiro-ministro garantiu novamente que o país está em guerra nesse momento e, por isso, o estado de emergência vai durar mais três meses.

“Nós sabemos que há mesmo o risco deles usarem armas químicas ou então bacteriológicas.

Publicidade
Publicidade

Eu sei que é chocante, mas é altamente realistas essa possibilidade. Aliás, não considerar essa hipótese seria um enorme erro. Estamos vivendo uma guerra diária, esses terrorista têm uma imaginação muito macabra é mesmo ilimitada. Para eles vale tudo, desde bombas humanas, facas, decapitações a fuzilamentos, tudo vale para causar estrondo e matar continuamente. Eles são especialmente organizados”, confessou Manuel Valls no parlamento francês hoje, dia 19 de novembro, tal como afirma o canal “Tvi24”.

Apesar das autoridades francesas estarem preparadas para as várias ameaças, um ataque biológico no coração da #Europa poderá colocar em risco a vida de milhões de pessoas, sendo isso muito mais perigoso do que qualquer arma de fogo. Sem tentar causar muitos alarmismos, o primeiro-ministro francês quis revelar essa ameaça ao seu povo, para que todos percebam que para o Estado Islâmico não há limites nem qualquer tipo de receio, ao contrário do que se tinha verificado no #Terrorismo até agora.

Publicidade

Em uma altura que os bombardeios na Síria se intensificam todos os dias por parte de França, Estados Unidos e Rússia, o Estado Islâmico poderá atacar novamente uma cidade europeia ou então norte-americana nos próximos meses, mesmo que esse ataque seja químico e coloque milhões de vidas inocentes em sério perigo, sobretudo se for lançado em cidades como Nova Iorque, um dos alvos prioritários do maior grupo terrorista do mundo.