Um erro de um cartório se tornou um trunfo para um casal homossexual da Costa Rica. Jazmín de Los Angeles Elizondo Arias nasceu na cidade de San Isidro de El General. Um erro cometido pelo cartório onde Jazmín foi registrada fez com que, em sua certidão de nascimento, o campo sexo fosse preenchido como "masculino" ao invés de feminino. Esse erro nunca fez diferença em sua vida, mas em julho deste ano o cenário mudou. 

Em 25 de julho de 2015, aos 24 anos, Jazmín se casou com sua namorada Laura Florez-Estrada Pimentel em San José, capital da Costa Rica. A união se tornou o primeiro casamento entre duas mulheres na América Central.

Publicidade
Publicidade

O casamento foi oficializado através de um grande ativista pelo reconhecimento de uniões civis entre duas pessoas do mesmo sexo: o advogado Marco Castillo.

"Uma coisas é como as pessoas nascem, outra é a identidade de gênero. Ela tem identidade gênero feminina e orientação sexual lésbica, portanto podia se casar. Ante o estado, ela é homem", explicou ele. Porém, duas horas após o registro civil avisou que tentaria anular o casamento. 

Como em todos os países da América Central, a lei proíbe o casamento entre pessoas do mesmo sexo. É permitido apenas a concessão de seguridade social, além das tentativas pontuais de usar brechas na lei para poder inscrever casais homossexuais. 

O registro civil afirma que tentará anular a união, mas o casal rebate as acusações de ilegalidade: "Jazmín é biologicamente mulher, e legalmente homem e aproveitamos esse erro.

Publicidade

Nos casamos em uma cerimônia simbólica em junho e legalmente em julho, mas só agora revelamos. A inscrição demorou a sair, por que sou estrangeira", diz Laura, que é irmã do ex-candidato à presidência José María Villalta.

"Ia todos os dias ao cartório para revisar, e agora estamos casadas", completou ela. Feliz, sua companheira Jazmín relembra sua história: "Venho de uma família muito conservadora. Para mim, não foi fácil aceitar minha identidade sexual".

Pela primeira vez, o gênero errado descrito na identidade se tornou relevante na vida de Jazmín. "não sei se foi destino, mas é fabuloso", diz ela. #Curiosidades