O #Terrorismo não é mais um grupo restrito de homens armados que vivem em alguma cidade miserável do Oriente Médio. O terrorismo se espalhou e se infiltrou em dezenas de nações e o exército está cada vez maior, conforme divulgou Jurgen Todenhofer, que ficou sob poder dos terroristas por dez dias.

Recentemente, o investigador do GESI - Grupo de Estudos sobre a Segurança Internacional, Manuel R. Torres, realizou um inventário com as doze ameaças feitas pelos terroristas à Espanha, França e Portugal. A região onde esses países se encontram faz parte do Al-Andalus, região que os extremistas dizem pertencer à eles e almejam reconquistar através de uma 'Primavera Islâmica', que não seria como a 'Primavera Árabe', onde o povo se rebela contra o governo, mas nesse caso seriam os próprios terroristas os insurgentes da história.

Publicidade
Publicidade

Entretanto, não é apenas o #Estado Islâmico que reivindica esse território, mas também os terroristas da Al-Qaeda. Os dois grupos possuem milhares de seguidores, bem como outras organizações terroristas de menor expressão que são diretamente ligadas à eles.

Um ponto em comum entre os dois grupos, além de serem cruéis e autoritários, é o fato de estarem dispostos à lutarem para reconquistar parte da Península Ibérica, que foi ocupada por muçulmanos entre os séculos VIII e XV.

Nota importante

Vale salientar que ser muçulmano não tem nada a ver com extremismo religioso. O grupos terroristas, como o EI e a Al-Qaeda, são considerados radicais islâmicos, que acreditam que todas as pessoas devem se submeter ao grupo, bem como seguir rigorosamente às suas regras. Muitos muçulmanos que discordam das barbáries dos grupos são executados.

Publicidade

Por isso, não confunda religião islã, com extremistas religiosos da Al-Qaeda, EI ou qualquer outro grupo semelhante.

Ameaça da Al-Qaeda e união com o Estado Islâmico

Em 3 de setembro desse ano, um terrorista divulgou um vídeo na internet convocando todos os jihad que estivessem na Espanha para pegar em suas armas e lutarem pelo território. Um mês antes, o Estado Islâmico divulgou um filme-propaganda mostrando a 'Mesquita de Córdoba e o 'Palácio e Fortaleza de Alhambra', a fim de relembrar aos seguidores que aquele local pertenceu aos seguidores do islã.

Já em 10 de setembro desse ano, Al Zawahiri, sucessor de Bin Laden, anunciou a 'Primavera Islâmica' e declarou que iria levar a guerra 'ao coração das casas e cidades do Ocidente', a fim de recuperar o Al-Andalus. Na ocasião, o líder da Al-Qaeda desclassificou o poder do Estado Islâmico, mas sugeriu que se eles se juntassem por esse objetivo contra o Ocidente, seriam mais fortes.

Em outros vídeos divulgados no começo do ano, os terroristas afirmam a vontade de construir, em breve, uma província na Europa, a fim de celebrar a recuperação de uma Espanha e Portugal 'muçulmana'. O território Al-Andalus também integra parte da França. Com os ataques do dia 13 de novembro em Paris, essas ameaças começaram a ser levadas mais à sério pelos governantes desses países.