O Estado Islâmico consegue mais de US$ 40 milhões por mês por causa de sua produção de petróleo que é exportada para vários países, só que os Estados Unidos estão dispostos a colocar um fim nesta forte de renda dos terroristas.

Diversos aviões americanos atacaram, nesta segunda-feira (16), dezenas de caminhões de petróleo do EI. Todos os caminhões estavam sendo utilizados para o transporte de petróleo que é produzido na região que o grupo jihadista ocupou na Síria.

O jornal "The New York Times" informou que ao todo foram 116 caminhões destruídos em um #Ataque certeiro e que o local foi bem próximo a Deir ez Zor, que é uma região onde o #Estado Islâmico tem total controle e fica bem próximo à fronteira com o Iraque.

Publicidade
Publicidade

Os Estados Unidos comemorou o sucesso do ataque que tinha como objetivo exatamente o que foi conseguido, acabar com o meio de transporte do petróleo que não é a única fonte de financiamento do grupo radical, mas é uma das mais importantes.

O ataque foi liderado pelos Estados Unidos e contou com a participação de vários países, inclusive a França, que já garantiu atuar de forma mais severa contra o grupo que promoveu os atentados em Paris, onde mais de 120 pessoas foram mortas e pelo menos 350 ficaram feridas.

Um bombardeio realizado por aviões franceses destruiu um importante campo de treinamento do EI,  este local também servia de depósito de armas.

Depois que o Pentágono confirmou o sucesso da missão, o Estado Islâmico se pronunciou a respeito e informou que o ataque dos franceses foi um fracasso e que a área atingida estava completamente vazia e que não houve nenhum morto ou ferido.

Publicidade

Raqa registrou mais de 30 explosões por causa dos bombardeios aéreos que sacudiram a cidade de norte a sul. A França enviou 10 caças que lançaram 20 bombas durante a noite por uma boa parte da região norte da Síria.

Os Estados Unidos, em conjunto com outros países, preparam um novo ataque para esta semana, mas não foi informado o dia nem o local, para pegar os terroristas de surpresa.

Uma pergunta que fica é: quais os países estariam comprando o petróleo do Estado Islâmico e por que eles continuam fazendo isto?