Caças americanos e de diversos países aliados na guerra contra o #Estado Islâmico fizeram vinte ataques aéreos na Síria e sete no Iraque em locais dominados pelos terroristas, mas habitados também  por muitos inocentes que não puderam sair do país como os milhares de refugiados espalhados pelo mundo.

Segundo o exército americano, os ataques já estavam programados e não possuem relação com os atentados que mataram mais de cento e cinquenta pessoas na noite de sexta-feira, 13 de novembro. Por outro lado, entre a noite de sexta-feira e a manhã de sábado, inúmeros líderes mundiais se pronunciaram repudiando os ataques dos jihadistas e afirmando que iriam lutar contra o #Terrorismo, incluindo Estados Unidos e Rússia.

Publicidade
Publicidade

Os ataques aéreos feitos pela França há cinco dias foram a válvula de escape para que os terroristas atacassem Paris como represália. Um vídeo que corre a internet, em árabe, diz que a França não terá paz enquanto participar dos bombardeios contra o Estado Islâmico. No #Ataque francês, caças destruíram uma base de petróleo do EI. Militares americanos informaram que os ataques desse sábado atingiram esconderijos de armas do grupo, bem como dois túneis, unidades táticas dos extremistas e edifícios utilizados pelos mesmos.

O presidente francês François Hollande, disse que os ataques foram um crime de guerra organizado por bárbaros do Estado Islâmico e executado por pessoas que já estavam na França. A policia encontrou dois passaportes perto dos corpos dos atiradores, sendo um sírio e outro francês.

Publicidade

Até o momento não se sabe dizer a autenticidade dos documentos encontrados.

Nessa manhã, o segundo maior aeroporto de Londres foi evacuado sob suspeita de um bomba e um suspeito foi preso. O Estado Islâmico ameaçou atacar Londres na noite de ontem. Também prometeu que Washington, nos Estados Unidos e Roma na Itália seriam seus próximos alvos. Os criminosos usaram a internet para publicar uma comemoração dos ataques e avisar ao mundo que os atentados foram apenas 'um começo' do que ainda está por vir.