França, nas últimas semanas antes do massacre em Paris, tinha informação da intensificação das comunicações terroristas em seu território. Segundo informa o jornal “Yediot Aharonot”, tanto os Estados Unidos como Israel disponibilizaram serviços que permitiam interceptar precisamente essas comunicações de jihadistas que estavam vivendo na França, porém foi precisamente o Governo francês que teria negado usar esses sistemas. Como consequência dessa negligência e apesar dos sinais claros do #Estado Islâmico sobre a intenção de atacar França, as autoridades francesas não conseguiram travar o massacre que matou 130 pessoas inocentes por falta de preparação.

Publicidade
Publicidade

Ronen Bergman, jornalista israelita que tem informações privilegiadas em relação à forma de comunicação do maior grupo terrorista do mundo, o Estado Islâmico, escreveu hoje, dia 15 de novembro, que a França podia ter evitado esses atentado, confessando que caso esses alertas tivessem sido dados nos Estados Unidos, os terroristas teriam sido travados a tempo, fazendo com que seus cidadãos ficassem completamente seguros.

Mas isso significa que a França é um país inseguro? Para o  jornalista israelita, o massacre em Paris demonstrou que a segurança francesa é um “fiasco” e que com relativa facilidade poderiam ter sido evitadas tantas mortes em uma das principais capitais europeias. “Depois de Hedbo, a França tomou medidas muito pequenas e nem se deu ao trabalho de descobrir os jihadistas que estavam em seu território.

Publicidade

Não fizeram nada, espero que dessa vez seja diferente e sejam bem mais ativos”, escreveu Ronen Bergman, informando que possivelmente França vai usar agora os sistemas de segurança há muito tempo usados pelos Estados Unidos.

Cientes de que mais terroristas ainda se encontram no coração de França, as autoridades já mandaram todos seus cidadãos não abandonarem suas casas, pois o risco de novos ataques ainda é bastante elevado, principalmente depois do Estado Islâmico ter pedido que todos seus militares presentes na França ataquem imediatamente. Mas poderiam os sinais dados pelo Estado Islâmico ter evitado o maior atentado ocidental nos últimos 10 anos? Tudo indica que sim e que, a partir de agora, tudo será, naturalmente, diferente. #Terrorismo #Europa