Nem todos conseguiram fugir a tempo do Hotel Radissom Blu, quando um grupo terrorista abriu fogo nesta sexta-feira (20) pela manhã. O hotel de luxo está localizado no centro de Bamaco, capital do Mali e há pelo menos 170 reféns, entre hóspedes e também funcionários.

A rede de televisão americana CNN informou que de acordo com uma fonte ligada à ONU, pelo menos 3 pessoas já morreram, sendo um francês e os outros dois são malineses.

O Grupo Hoteleiro Rezidor é o responsável pela administração do hotel e informou que estão sob a mira dos terroristas, 140 hóspedes e 30 funcionários da empresa.

Modibo Naman Traore é o comandante desta operação e informação à Associated Press que já conseguiu a liberação de 20 reféns e que só mais tarde poderá maiores detalhes.

Publicidade
Publicidade

Três funcionários da companhia aérea "Turkish Airlines" escaparam do hotel a tempo, mas outros 3 funcionários da companhia não tiveram a mesma sorte e estão entre os reféns.

De acordo com a agência de notícias Reuters, os reféns que conseguiram ser libertados pelos terroristas só foram autorizados a deixar o hotel depois que citaram alguns trechos do Alcorão que é o livro sagrado do islamismo, os que não citaram continuarão detidos no hotel.

Os terroristas chegaram ao hotel em um veículo que possui placa diplomática e por isto não levantaram suspeitas. Logo em seguida eles atiraram contra os seguranças do hotel e 4 ficaram feridos, sendo que 2 correm risco de vida.

O grupo conta com 10 homens fortemente armados, inclusive com granadas e quando invadiram o hotel eles gritaram "Allah Akbar" (Deus é grande).

Publicidade

Uma fonte ligada à AFP afirmou que o grupo terrorista seria jihadista.

Do lado de fora era possível ouvir vários tiros que de acordo com a polícia local são de armas automáticas. A tropa do exército de Mali já cercou o local, juntamente com a polícia e soldados da ONU também estão presentes.

O hotel conta com 190 quartos e fica em uma região onde há muitos bancos, restaurantes e também outros grandes hotéis. O governo francês já confirmou que há cidadãos da França entre os reféns. #Terrorismo #Ataque #Estado Islâmico