As maiores potências do mundo decidiram se unir contra o Estado Islâmico (EI), considerado hoje o grupo terrorista mais temido do planeta. Nesta sexta-feira, 20, os Estados Unidos e seus aliados fizeram mais de 40 ataques contra pontos considerados estratégicos e dominados por terroristas. A confirmação de 22 ataques aéreos na Síria e mais 20 no Iraque foi feita neste sábado, 21, através de um comunicado do Exército americano. Não são citados neste comunicado que países se uniram aos Estados Unidos para os ataques, tampouco o que levou à invasiva nos países dominados pelo #Estado Islâmico. Segundo informações de agências de notícias internacionais, a Turquia é tida como um dos países que ajudou nos ataques. 

Uma das causas mais prováveis para os mais de 40 ataques com bombas foram os atentados terroristas contra a capital francesa, Paris, na última semana, que deixaram mais de 100 mortos e 300 feridos.

Publicidade
Publicidade

Os ataques aconteceram poucas horas depois do presidente francês, François Hollande, pedir aos membros da Organização das Nações Unidas, a ONU, para ajudarem no que for possível na luta contra o Estado Islâmico.

Dos mais de 40 ataques, seis deles no Iraque, atingiram as chamadas unidades táticas do EI. No local, existia uma instalação de comando da organização, além de posições de combate perto de uma cidade do país já tão assolado pelas guerras. Já na Síria, 13 das bombas atingiram uma região próxima à Mar'a e três edifícios que seriam ligados aos terroristas foram derrubados. Por conta da guerra na Síria, milhares de pessoas tentam refúgio na Europa. O êxodo entre países é considerado o maior desde a Segunda Guerra Mundial. 

Outra cidade atingida pelos Estados Unidos na Síria foi Abu Kamal.

Publicidade

Uma espécie de posto de petróleo foi destruído, o que deve atrapalhar o transporte dos terroristas. A ação ainda teria o apoio de grupos rebeldes locais, que também são contra a ação do Estado Islâmico. Segundo uma agência de notícias turca, foram utilizados caças F-16 e F-15, além de aviões de combates e drones.  #Terrorismo