É mais um caso chocante que chega da Inglaterra. Thomas Ford tinha apenas quinze meses quando morreu após se engasgar com uma amora preta. O menino estava com a #Família e estavam juntos apanhando fruta quando aconteceu a tragédia. Todos as ações possíveis foram feitas para salvar o menino, que foi ainda transportado de helicóptero para o hospital, mas acabou morrendo três dias depois do internamento. 

No mês de outubro, também o pequeno Jacob morreu com dois anos, após se engasgar com uma peça de fruta. Uma uva atravessou a garganta do menino, que acabou entrando em coma e falecendo dias depois. O caso se repete agora, mas com Thomas, que ficou entalado com uma amora. 

Os especialistas evitam dar o alarme e garantem que os pais não podem simplesmente parar de dar fruta para os bebês.

Publicidade
Publicidade

No entanto, é a própria mãe do bebê Thomas, Serena Ford, que no papel de enfermeira e de mãe devastada, está pedindo para que os outros pais tenham mais cuidado. O que ela não teve e se arrepende muito, contou em entrevista ao jornal Mirror

"Cortar a fruta em pedaços pequenos, mesmo estando a falar de frutas pequenas como uvas ou amoras, será o essencial para que estas tragédias não sucedam", diz Serena.

O problema com essas frutas pequenas e arredondadas é que elas são sugadas facilmente pelos bebês e pelas dimensões podem ficar presas na garganta pequena da criança. E mesmo quando os pais tentam ajudar, como foi o caso da mãe de Thomas, que até é enfermeira, a fruta está agarrada e não passa nem para um lado nem para o outro. Tudo isso acontece em questão de segundos, que são vitais para a sobrevivência. 

Tanto com Jacob, como com Thomas, foi isso que aconteceu: o ar começou a faltar, o bebê perdeu a consciência, entrou em coma e acabou não se recuperando. 

Fica o relato da tragédia que caiu agora sobre a família Ford.

Publicidade

"Nossos corações foram dilacerados por perder Thomas", contou a mãe para o jornal Mirror. Em uma entrevista muito emocionada, a mãe não evitou derramar muitas lágrimas, mas considerou fundamental alertar os outros pais, para que mais ninguém tenha que passar pela dor que ela e sua família estão passando.  #Europa #Alimentação Saudável