O chefe do Estado Maior do Exército Francês declarou, no último domingo (22), que os últimos ataques aéreos franceses ao Estado Islâmico na Síria foram um sucesso. Ele ainda acrescentou que a guerra continuará por bastante tempo. 

De acordo com o semanário francês Journal du Dimanche, o general Pierre de Villiers disse que os danos provocados no Estado Islâmico na Síria foram bastante elevados segundo os meios de inteligência franceses. Foram lançadas entre domingo (dia 15 de novembro) e terça (dia 17) cerca de sessenta bombas no local considerado o centro dos jihadistas na Síria (localidade de Al Raqa) com o principal objetivo de atingir e destruir campos de treino e também centros de comando do Estado Islâmico.

Publicidade
Publicidade

Segundo dados recolhidos pelo Diário de Notícias, estas tentativas de destruição do Estado Islâmico por parte dos franceses tem como principal interesse a proteção de toda a população do país. Chegou este fim de semana à região um enorme porta-aviões (Charles de Gaulle) que conta com trinta e oito aviões no total. Para os franceses, este porta-aviões é bastante positivo pois aumenta cerca de três vezes mais a sua capacidade de tiro, garantido assim uma maior taxa de sucesso para o lado francês.

Pierre de Villiers explicou que para destruir os inimigos não basta os ataques aéreos que se têm verificado por parte dos franceses ao Estado Islâmico. Segundo este general. é muito mais vantajoso os ataques no terreno do que este porta-aviões pode proporcionar. Pierre de Villiers acrescentou ainda que é muito provável que não haja uma vitória militar rapidamente, mas sim a longo prazo.

Publicidade

Os ataques contra poços de petróleo darão bastantes prejuízos principalmente a nível econômico ao Estado Islâmico na Síria.

Tudo indica que no final a vitória seja pela via diplomática e política. O general Pierre de Villiers explicou que ganhar a guerra é bom, mas não é suficiente. Tem de se travar a guerra em conjunto segundo o general. Apesar das várias perspectivas, existe um inimigo comum. #Terrorismo