Uma mulher palestina foi flagrada em vídeo tentando matar um guarda israelense. Nas imagens divulgadas por várias agências de notícias internacionais, surge uma mulher que, depois de entregar os documentos ao agente da autoridade, tira da mala uma faca e tenta atingir o homem com muita violência.

A história acabou bem para o guarda, que, apesar de ter ficado ferido, conseguiu responder ao ataque e disparar em direção a agressora.

Na mesma zona onde foi filmado o ataque, alguns momentos antes, um palestino tinha sido abatido por soldados depois de atropelar quatro pessoas. Os atropelamentos têm sido um outro método utilizado nessa nova série de ataques.

Publicidade
Publicidade

Esse é mais um acontecimento associado à “Intifada das facas”, uma nova onda de ataques de palestinos contra as forças de segurança e os civis israelenses. Essa nova Intifada começou no dia 1º de Outubro na Jerusalém ocidental e rapidamente se espalhou para o resto do país.

O aumento das tensões foi originado por boatos que indicavam que os israelenses estariam planejando alterar a jurisdição religiosa da área de Al-Aqsa, uma zona sagrada tanto para judeus, como para os muçulmanos. O Governo de #Israel declarou que não tem intenção de fazer tais alterações, porém, logo depois surgiu o primeiro caso de #Violência, o homicídio de um casal israelense e dos seus 4 filhos que viajavam pela Cisjordânia.

Apesar da violência desses ataques com facas não provocarem tantas vítimas quanto os atentados bombistas, eles estão deixando um estrago psicológico enorme na sociedade daquele país.

Publicidade

Embora as forças de segurança israelenses tenham a situação controlada, existe já um caso registrado de um homem israelense que matou vários palestinianos por vingança.

Redes sociais estão servindo para organizar os ataques

Os palestinos estão usando as redes sociais para incentivar outras pessoas a realizarem os ataques. O Hamas publicou um vídeo no Youtube no qual demonstra como esfaquear judeus por meio de uma encenação com dois personagens judeus que xingam crianças árabes. Em  seguida, ambos são esfaqueados por um árabe. O vídeo já foi removido, mas rapidamente surgiram outras mensagens incentivando a violência no Facebook, Twitter e Youtube.

O que você pensa da situação atual em Israel? Acha que toda essa violência poderia ser evitada? #Crime