Os mistérios de Marte têm cativado a humanidade há muito tempo, e agora a NASA conseguiu preencher mais uma lacuna do quebra-cabeça, descobrindo porque o planeta possui uma atmosfera extremamente tênue. O fato é que ela foi literalmente “arrancada” por ventos solares, ao longo de bilhões de anos. A notícia divulgada vem na sequência da surpreendente constatação de que existe água salgada na superfície do planeta.

Analisando dados coletados pela missão MAVEN (Mars Atmosphere and Volatile Evolution, ou Atmosfera e Evolução Volátil de Marte, em português), os cientistas da agência espacial americana concluíram que a atmosfera do planeta vermelho foi quase que completamente varrida por ventos solares.

Publicidade
Publicidade

Ventos solares são emissões contínuas de partículas subatômicas provenientes do Sol, como por exemplo, prótons e elétrons. Perto da Terra, estas partículas atingem uma velocidade entre 400 e 800 km/s, e devido à rotação do Sol e ao seu magnetismo, os ventos solares se apresentam de forma instável e variam constantemente, o que exerce influência nos gases que existem ao redor dos planetas, incluindo suas atmosferas.

Marte já foi parecido com a Terra

Os cientistas já têm certeza de que até cerca de 3,7 bilhões de anos atrás, existiam lagos e rios em Marte, assim como na Terra, quando o planeta possuía uma atmosfera densa o bastante para permitir que uma grande quantidade de água pudesse existir em sua superfície.

O problema é que, ao contrário da Terra, Marte não possui mais um campo magnético global para proteger o seu ambiente, o que o deixa extremamente vulnerável a explosões de radiação e de partículas subatômicas provenientes do Sol, que ocorrem durante as tempestades solares.

Publicidade

Terraformação

Escritores de ficção científica têm sonhado há muito tempo em aplicar em Marte um processo conhecido como terraformação, que se baseia na hipótese de ser possível modificar a atmosfera e a temperatura de um planeta ou um satélite natural, até deixá-lo em condições adequadas para suportar um ecossistema com os seres vivos da Terra.

Uma forma potencial para fazer isto envolveria a liberação de uma grande quantidade de dióxido de carbono, o famoso CO2, que reteria o calor da crosta marciana dentro de sua fraca atmosfera, que por sua vez iria se tornando mais espessa com o passar do tempo.

Havia certa especulação de que rochas marcianas poderiam conter este gás de efeito estufa, mas os resultados obtidos pelas análises da Missão MAVEN mostraram que o CO2 do planeta acabou se dispersando no espaço, processo este que começou quando o campo magnético de Marte deixou de existir, a cerca de 4,2 bilhões de anos atrás. #Curiosidades #EUA